Porto Alegre, sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021.
Dia do Comediante.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

saúde

- Publicada em 12h39min, 26/02/2021.

Ocupação de leitos de UTI aumenta para 93,9% no RS; Porto Alegre está em 97,35%

Em Porto Alegre, a ocupação de leitos está em um preocupante 97,35%

Em Porto Alegre, a ocupação de leitos está em um preocupante 97,35%


Thales Ferreira/Arquivo PMSL/JC
Fernanda Soprana
Em um dia, a taxa de ocupação de leitos de UTI destinados a pacientes com Covid-19 no Rio Grande do Sul passou de 91,4% para 93,9%. Segundo o balanço da Secretaria da Saúde desta sexta-feira (26), o Estado tem 2.550 pacientes para 2.716 leitos.
Em um dia, a taxa de ocupação de leitos de UTI destinados a pacientes com Covid-19 no Rio Grande do Sul passou de 91,4% para 93,9%. Segundo o balanço da Secretaria da Saúde desta sexta-feira (26), o Estado tem 2.550 pacientes para 2.716 leitos.
O Rio Grande do Sul tem 22.408 casos ativos do novo coronavírus. Desde o início da pandemia, o território gaúcho totaliza 624.829 infecções e 12.149 óbitos. 
Com um surto de casos nunca antes registrado, o governador Eduardo Leite decidiu colocar todo o Estado em bandeira preta neste sábado (27). O governo ainda suspendeu a cogestão durante uma semana, impondo restrições do modelo de Distanciamento Controlado a todos os municípios.
Em Porto Alegre, a ocupação de leitos está em um preocupante 97,35%. Com 850 leitos operacionais, pelo menos 124 pacientes com Covid-19 aguardam vagas para internação.
Cinco hospitais da capital já atingiram ou superaram a capacidade máxima: Moinhos de Vento (113,64%), Vila Nova (102,50%), São Lucas da Pucrs (100%), da Restinga (100%) e Santa Ana (100%). A menor lotação é registrada no Pronto Socorro de Porto Alegre, com 81,25%, que conta com 20 leitos operacionais. 
O prefeito Sebastião Melo criticou as restrições impostas pelo governador. Melo defende que a atividade econômica "que dá dignidade e bota comida na mesa das pessoas". 
Comentários CORRIGIR TEXTO