Porto Alegre, segunda-feira, 19 de outubro de 2020.
Dia do Profissional de Informática. Dia da Inovação.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 19 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Gastronomia

- Publicada em 13h09min, 19/10/2020. Atualizada em 13h46min, 19/10/2020.

Chicafundó fecha em casarão do antigo Chez Philippe e reabre em novo formato

O casarão de 1926 na avenida Independência é o imóvel com mais itens tombados, segundo Elisa

O casarão de 1926 na avenida Independência é o imóvel com mais itens tombados, segundo Elisa


ELISA PRENNA/DIVULGAÇÃO/JC
Patrícia Comunello
"Não quero mais esta vida", desabafa Elisa Prenna, proprietária do restaurante Chicafundó, que está de mudança, em Porto Alegre. O Chicafundó vai sair de um dos casarões mais charmosos da avenida Independência, na esquina com a rua Fernandes Vieira, próximo ao Centro da Capital, que abrigou por mais de 15 anos o francês Chez Philippe.
"Não quero mais esta vida", desabafa Elisa Prenna, proprietária do restaurante Chicafundó, que está de mudança, em Porto Alegre. O Chicafundó vai sair de um dos casarões mais charmosos da avenida Independência, na esquina com a rua Fernandes Vieira, próximo ao Centro da Capital, que abrigou por mais de 15 anos o francês Chez Philippe.
A casa fechou nesse sábado (17), quando as últimas produções da cozinha comandada pelos chefs Matias Moreno, que atuou no Chez Philippe e é casado com Elisa, e Leonardo Xerez foram finalizadas. "A cozinha da dona Chica vai mudar de lugar" é o aviso na página de entrada do site do estabelecimento. 
O Chicafundó, que combina cardápio com pratos das cozinhas francesa, tailandesa e italiana, vai reabrir em uma casa mais modesta, em tamanho e arquitetura, na avenida Mercedes, 157, no bairro Floresta, que teve na vizinhança o português Calamares, já fechado.
A nova fase, cuja data de recomeço ainda não foi definida pois depende de detalhes essencialmente técnicos como ligação de luz e gás, é efeito dos tempos de pandemia. Sai o serviço do salão, com mesas para os frequentadores poderem saborear as comidinhas, e entra o delivery e take-away. 
Elisa descreve dois motivos para a decisão.

Pandemia abriu novas oportunidades na operação do Chicafundó

O primeiro está ligado a mudanças que vêm ocorrendo na forma de atender os clientes, após o fechamento em março, quando Porto Alegre adota as primeiras medidas de restrição sanitária e uma delas foi a de fechar restaurantes. 
"Fechamos em 17 de março e nunca mais reabrimos o salão. Começamos com tele-entrega e take-away e deu muito certo", explica Elisa, citando que até mesmo antigos clientes do primeiro endereço da casa, a rua Bordini, que não tinham mais ido à Independência, devido à distância, voltaram a pedir as comidinhas e respondem pela maior demanda. Mesmo na pandemia, a equipe se manteve - ela, o marido Matias, o outro chef e dois funcionários, que passaram a atuar nas teles e outros serviços.    
"Nos demos conta que o movimento era outro", observa a dona do restaurante, sobre a mudança trazida pela pandemia. "A pandemia fez a gente perceber que não precisa de muito, mas a essência vai continuar a mesma em espaço de 100 ou 200 metros quadrados", resume. Sobre um dia voltar a ter salão, os donos não descartam, mas isso só será examinado depois de passar a pandemia. 
Em Porto Alegre, a crise sanitária levou a medidas mais duras, com fechamento definitivo de operação como a do Bambu's, Van Gogh e Muralha da China. Também 15 estabelecimentos fecharam no bairro Menino Deus. Em outros setores como o de hotelaria, nomes tradicionais fecharam, como o Hotel Everest.  

Custos para manter o casarão tombado pesaram na mudança   

O segundo motivo já vinha, pode-se dizer, sendo amadurecido mesmo que de forma inconsciente pelos donos do Chicafundó. A manutenção do casarão, herdado há cinco anos do Chez Philippe, e adaptações exigidas para um imóvel tombado pelo patrimônio histórico, estavam tirando Elisa e o marido do sério.  
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/10/18/206x137/1_gastronomia_chicafundo_fecha_jornal_do_comercio-9167389.jpeg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f8c35975851e', 'cd_midia':9167389, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/10/18/gastronomia_chicafundo_fecha_jornal_do_comercio-9167389.jpeg', 'ds_midia': 'Gastronomia - RESTAURANTE Chicafundó - fecha em casarão na avenida Independência - muda de endereço do antigo Chez Philippe - pandemia - take-away - na foto: (esquerda para a direita) - proprietários Matias Moreno (chef) e Elisa Prenna e Leonardo Xerez (chef) - pandemia - ', 'ds_midia_credi': 'LETÍCIA REMIÃO/DIVULGAÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Gastronomia - RESTAURANTE Chicafundó - fecha em casarão na avenida Independência - muda de endereço do antigo Chez Philippe - pandemia - take-away - na foto: (esquerda para a direita) - proprietários Matias Moreno (chef) e Elisa Prenna e Leonardo Xerez (chef) - pandemia - ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '747', 'cd_midia_h': '701', 'align': 'Left'}
'A pandemia fez a gente perceber que não precisa de muito, mas a essência vai continuar a mesma', diz Elisa, entre o marido Matias (à esquerda) e Xerez. Foto: Leticia Remião/Divulgação 
"Foram cinco anos de muita batalha. Saímos da rua Bordini, onde operamos cinco anos, para a oportunidade aqui. Abraçamos o casarão", lembra ela, sobre o entusiasmo na largada. Planos e até algumas novidades com o uso do jardim acabaram tendo que ser revistos devido a regras do patrimônio histórico.
"Isso veio anos depois. A prefeitura simplesmente nos notificou e mandou demolir tudo que tinha fora (jardim). Foi um balde de água fria", lamenta a proprietária, citando que o casarão, erguido em 1926, no número 1.005, 'é o mais tombado pelo município', devido ao número de itens que não podem ser mudados. O IPTU custa, por exemplo, R$ 27 mil.
"Não tinha noção que era neste nível quando viemos", admite ela. O casal chegou a contratar um escritório de arquitetura para fazer o Estudo de Viabilidade Urbanística, visando às adaptações. O dono do imóvel, a quem cabe fazer as melhorias e conservação, ajudou a pagar parte dos custos. Também ao longo da ocupação, a casa foi aberta a visitantes para conhecer suas características, que é previsto para imóveis tombados. Elisa cita a dificuldade de lidar com os diferentes órgãos, entre Estado e município, que lidam com procedimentos que envolvem patrimônio.  
Antes da troca de endereço, Elisa e Moreno lançaram uma campanha ao estilo de financiamento coletivo para pagar as contas do mês (salários, luz, água etc), já que o Chicafundó não terá atividade, pois aguarda as ligações de energia e gás. O casal torce ainda para que o dono do casarão isente o último aluguel, como já vinha ocorrendo nos meses anteriores em meio aos impactos da crise.
Os pedidos foram feitos em setembro. A CEEE pediu ajustes, como a instalação de chave trifásica, devido ao uso de equipamentos com maior demanda de energia, o que foi feito, e o restaurante aguarda desde 13 de outubro pela definição sobre a ligação.      
Enquanto isso, Elisa criou vouchers que valem kits com pratos da casa, para 'antecipar o valor' que depois será pago com as comidinhas. A ação foi feita no sábado e, em poucas horas, a oferta se esgotou. O número limitada a 40 kits para garantir a capacidade de elaboração e entrega, explica.
"Liquidou! vendemos tudo que tínhamos disponível. Agora esperamos os clientes quando reabrirmos", avisa a proprietária, feliz pela adesão das pessoas.       
"Vai dar tudo certo, vamos seguir", anima-se a dona do Chicacafundó, que não vê  a hora de reabrir.
"Vai ter uma mesinha para tomar um café, enquanto o cliente espera o pedido", garante, num recado a um dos frequentadores mais habitues da casa, o escritor e cronista Luis Fernando Verissimo.   
Comentários CORRIGIR TEXTO