Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

10/01/2020 - 17h10min. Alterada em 10/01 às 17h10min

Número de cidades gaúchas em situação de emergência quase dobra

Além do milho, que é utilizada para alimentar os animais da pecuária de corte, leite e avicultura

Além do milho, que é utilizada para alimentar os animais da pecuária de corte, leite e avicultura


AFUBRA/DIVULGAÇÃO/JC
O número de cidades do Rio Grande do Sul que decretaram situação de emergência devido à estiagem passou de 16, nessa quinta-feira (9), para 28, segundo o mais recente boletim da Defesa Civil Estadual, divulgado na tarde desta sexta-feira (10).
O número de cidades do Rio Grande do Sul que decretaram situação de emergência devido à estiagem passou de 16, nessa quinta-feira (9), para 28, segundo o mais recente boletim da Defesa Civil Estadual, divulgado na tarde desta sexta-feira (10).
Outros sete municípios estão registrados no Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2ID), do órgão, para também ter reconhecimento da emergência.
Segundo a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), esta é a maior estiagem a atingir o Estado nos últimos tempos. A Defesa Civil começou, na segunda-feira (7), a levar reservatórios de água móveis à população para amenizar os efeitos da falta de chuva.
A soma dos prejuízos causados pela falta de água tem impacto direto na economia gaúcha. Além do milho, que é utilizada para alimentar os animais da pecuária de corte, leite e avicultura, mas também o cultivo de soja e tabaco.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia