Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR| CORRIGIR

Protestos

14/06/2019 - 18h49min. Alterada em 17/06 às 16h09min

Greve geral fecha agências bancárias em Porto Alegre

Agência do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Bradesco e Santander ficaram fechadas

Agência do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Bradesco e Santander ficaram fechadas


Flávia Pereira/Especial/JC
Flávia Pereira
A greve geral fechou diversas agências bancárias em Porto Alegre nesta sexta-feira (14). O protesto foi contra a reforma da Previdência e redução de verbas para a educação. Os estabelecimentos mais afetados foram os do Centro Histórico da Capital.
A greve geral fechou diversas agências bancárias em Porto Alegre nesta sexta-feira (14). O protesto foi contra a reforma da Previdência e redução de verbas para a educação. Os estabelecimentos mais afetados foram os do Centro Histórico da Capital.
Desde o início da manhã, integrantes do Sindbancários posicionavam-se em frente às agências, impedindo a entrada de funcionários e clientes. A ação atingiu Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Bradesco e Santander.  
Ao longo do dia, apenas os terminais de autoatendimento dos bancos estavam disponíveis à população. Já o Banrisul funcionou normalmente no Centro.
A agência central do Banrisul, localizada na Capitão Montanha, 177, no Centro Histórico, funcionou normalmente. Segundo funcionários, na parte da manhã o movimento foi mais fraco, devido à desconfiança dos clientes se a agência estava ou não funcionando. À tarde, o banco registrou um maior fluxo de pessoas.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/06/14/206x137/1_whatsapp_image_2019_06_14_at_17_45_57-8754501.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5d0408510fced', 'cd_midia':8754501, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/06/14/whatsapp_image_2019_06_14_at_17_45_57-8754501.jpg', 'ds_midia': 'Agência central do Banrisul', 'ds_midia_credi': 'Flávia Pereira/Especial/JC', 'ds_midia_titlo': 'Agência central do Banrisul', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}

Agência do Banrisul na Praça da Alfândegsa funcionou normalmente. Foto: Flávia Pereira/JC

Uma das agências da Caixa Econômica Federal na Praça da Alfândega funcionou apenas com abertura de conta e atendimento expresso. Já caixas e depósitos terminaram o dia indisponíveis aos clientes.
Segundo o Sindbancários, 70% da categoria aderiu à paralisação. Os bancários encerraram a paralisação às 16h, retirando as faixas e adesivos da fachada das instituições. A partir das 17h, a categoria se somou ao ato na Esquina Democrática.
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia