Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de julho de 2020.
Dia do Amigo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 20 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 20/07/2020.
Alterada em 20/07 às 03h00min

Reforma tributária

O governo do Rio Grande do Sul divulgou detalhes sobre a série de projetos que compõem a reforma tributária, que será apresentada à Assembleia Legislativa em agosto (Jornal do Comércio, edição de 17/07/2020). É urgente uma solução para os cofres públicos do Estado. A reformulação no sistema tributário gaúcho deve ser debatida com todos os setores da sociedade e com amplo diálogo dos deputados com o governo, a fim de que possamos cobrir o rombo de R$ 2,8 bilhões que o fim da majoração do ICMS gerará nas contas públicas do Rio Grande do Sul a partir de 2021. Além disso, é preciso admitir que o Estado possui um sistema tributário antiquado, muito aquém do necessário para que possamos nos tornar uma unidade federativa competitiva e atrair novos polos industriais, para fomentar nossa economia e, por consequência, desafogar os cofres públicos. (Lucas Loeblein, Gravataí/RS)
O governo do Rio Grande do Sul divulgou detalhes sobre a série de projetos que compõem a reforma tributária, que será apresentada à Assembleia Legislativa em agosto (Jornal do Comércio, edição de 17/07/2020). É urgente uma solução para os cofres públicos do Estado. A reformulação no sistema tributário gaúcho deve ser debatida com todos os setores da sociedade e com amplo diálogo dos deputados com o governo, a fim de que possamos cobrir o rombo de R$ 2,8 bilhões que o fim da majoração do ICMS gerará nas contas públicas do Rio Grande do Sul a partir de 2021. Além disso, é preciso admitir que o Estado possui um sistema tributário antiquado, muito aquém do necessário para que possamos nos tornar uma unidade federativa competitiva e atrair novos polos industriais, para fomentar nossa economia e, por consequência, desafogar os cofres públicos. (Lucas Loeblein, Gravataí/RS)
Reforma tributária II
O governador Eduardo Leite (PSDB) fala uma coisa, mas o resultado de sua proposta é exatamente o inverso. Ao invés de reduzir a máquina pública, eliminar monopólios e oligopólios existentes, de forma a gerar maior competitividade no Estado, aumentando o consumo e, consequentemente a arrecadação, fica fazendo malabarismos com a tributação, tentando achar justificativa que convença a população. Infelizmente, mais uma vez, a Ciência Economia é colocada de lado. (Felipe de Medeiros)
Reportagem Cultural
"Autor de clássicos do rock gaúcho, Júpiter Maçã terá novas gravações cinco anos após a sua morte" (Reportagem Cultual, caderno Viver, Jornal do Comércio, edição de 17/07/2020). Que bela reportagem! (Laerte Andrade)
Gilmar Mendes
Em vez de ficar resguardado, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse que o Exército está se associando a um genocídio dos brasileiros, porque tem muitos militares no Ministério da Saúde. Que afirmação absurda. Os militares não estão lá para dar consulta, não são médicos. Estão lá nos serviços de apoio, transporte, distribuição de medicamentos e insumos para combate à Covid-19. Se queria tumultuar o País, Gilmar Mendes conseguiu... (Renato C. Paranhos, Porto Alegre)
Pandemia
Apesar dos protocolos implantados, a Covid-19 continua se espalhando no Brasil. Ficar em casa ajudou, mas não evitou que a pandemia continuasse matando muita gente. Para mim, as recomendações básicas ajudam, mas não resolveram, como foi apregoado, para sustar a Covid-19. É difícil aos leigos entenderem o que se deve mesmo fazer, em meio a tantos problemas e em um isolamento que acaba irritando. (Everaldo M. de Almeida, Porto Alegre)
Comentários CORRIGIR TEXTO
Roberto Brenol Andrade
Roberto Brenol Andrade
A opinião dos leitores do Jornal do Comércio é publicada diariamente no espaço Palavra do Leitor.