Porto Alegre, quinta-feira, 30 de setembro de 2021.
Dia da Secretária. Dia do Jornaleiro.
Porto Alegre,
quinta-feira, 30 de setembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Varejo

- Publicada em 20/08/2021 às 19h42min.

Lojas Colombo acelera abertura de filiais e testa 'uber do varejo'

Financeira do grupo terá mais cinco novas operações no Sul do País até fim de setembro

Financeira do grupo terá mais cinco novas operações no Sul do País até fim de setembro


PATRICIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC
Patrícia Comunello
A concorrência em duas frentes acelerou a expansão e a implantação de uma nova estratégia de entrega de produtos de uma das redes com DNA gaúcho e uma das mais populares no Rio Grande do Sul, a Lojas Colombo.
A concorrência em duas frentes acelerou a expansão e a implantação de uma nova estratégia de entrega de produtos de uma das redes com DNA gaúcho e uma das mais populares no Rio Grande do Sul, a Lojas Colombo.
Em conversa com a coluna, o diretor comercial do Grupo Colombo, Odair Ziero, revelou que a meta de abrir 17 filiais de diversas bandeiras do grupo está sendo antecipada e será concluída antes de 2022. Além de abrir unidades, a rede investe em reformas e modernização
Tudo indica que o crescimento de pontos será mais forte que o plano do começo deste ano.
"Nossa meta de 17 até o fim de 2022 acelera até o fim de 2021. Isso é um indício de que vamos fazer mais", pontuou Ziero, com mais de duas décadas de atuação no setor. Ele começou na Colombo há 18 anos como vendedor. "Sou do piso da loja", resume o diretor.
Até começo de outubro, serão mais seis pontos, entre a bandeira de produtos financeiros do grupo, a ColomboCred, e lojas de eletrodomésticos. Até dezembro, serão outras duas no Litoral Norte e que são novidade não só por causa da abertura, mas pela relação com o Feirão de Móveis, comprado pelo grupo em junho
As financeiras serão no Paraná, nas cidades de Guarapuava, Ponta Grossa e Curitiba, e duas nas gaúchas Passo Fundo e Pelotas. A filial da Colombo eletro será na catarinense Lages, no Planalto do estado vizinho, que abre em 1º de outubro. Na localidade, a marca tinha uma loja e outras três do Feirão.
A expansão vai ofertar pelo menos 80 empregos diretos em diversas funções. Interessados podem se candidatar no portalrh.colombo.com.br/candidatos/.
O impulso para aumentar a velocidade da máquina varejista tem a ver com a adaptação das equipes ao pós-pandemia, diz Ziero.
"Costumo dizer: 'Fui ao vestiário tomar as decisões de fato'." Traduzindo: o diretor aponta que foi fundamental que as pessoas entendessem as novas demandas e de forma rápida. Ziero credita ao engajamento o êxito em 2020 e um "belo primeiro semestre de 2021". A receita teve alta real de 24% no período recente, frente ao primeiro semestre do ano passado.
Tamanho maior da rede e expectativa por mais vendas, ativam de forma premente a necessidade de agilizar ainda mais as entregas do comércio digital, que hoje responde por 32% do faturamento da rede, mas em três anos deve bater nos 50%, adianta o executivo.
"Neste momento, é o grande diferencial (agilidade na entrega), é para isso que trabalhamos. Falar em tempo é ser online, nem horas nem minutos. O desafio é entregar o mais rápido possível. É o que o consumidor procura", observa o nativo de piso de loja. Mas isso - maior fatia do e-commerce no negócio e menos tempo na entrega -, não significa que o ponto físico vai desaparecer.
"Quando era vendedor, em 2005, falavam em fim da venda física e isso não aconteceu. Olho no olho, falar com o vendedor, isso não será extinto: ouso a dizer que nunca."
A logística vai trazer uma das novidades, uma espécie de uber do varejo, como define o executivo. O piloto vai começar a ser feito em Farroupilha, terra natal da Colombo.
O grupo tem 304 lojas, além de operações de veículos, pet e área de tecnologia. Em 2020, o faturamento foi de R$ 1,956 bilhão, 20% superior ao de 2019.

Primeiras filiais gaúchas do Feirão de Móveis serão abertas no Litoral Norte

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/06/14/206x137/1_feirao_de_moveis_sc_fachada_rua-9337297.jpeg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'60c763a154094', 'cd_midia':9337297, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/06/14/feirao_de_moveis_sc_fachada_rua-9337297.jpeg', 'ds_midia': 'Além das unidades de varejo, negócio inclui um centro de distribuição', 'ds_midia_credi': 'LOJAS COLOMBO/DIVULGAÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Além das unidades de varejo, negócio inclui um centro de distribuição', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
Rede foi comprada para ampliar presença em Santa Catarina e reforçar a logística. Fotos: Lojas Colombo/Divulgação 
O Rio Grande do Sul vai ganhar as primeiras filiais do Feirão de Móveis. As duas lojas serão no Litoral Norte: em Torres e Tramandaí e vão abrir até dezembro. A chegada da bandeira faz parte do plano da varejista, após o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) dar o sinal verde para a compra.
O diretor comercial, Odair Ziero, espera que a decisão do órgão saia até o fim de agosto. Sem isso, receita e operação não podem ser compartilhadas.
"Estamos preparados para assumir e dar a dinâmica da Colombo, mas sem alterar a essência (do feirão)."
Com o aval, duas medidas são certas: manter a bandeira do Feirão e aproveitar o reforço logístico, com o centro de distribuição (CD) que veio junto com a compra da rede. A aquisição cumpriu ainda dois planos.
"Entrar com mais força em Santa Catarina e se especializar em móveis", revela Ziero. Esta última meta estava delineada desde 2017, conforme definição estratégica do grupo, diz o executivo.
O Feirão vai ainda levar o grupo para cidades onde não está e cumprir uma exigência para disputar mercado: "Estar no Centro da cidade ou bairro de grande circulação e perto de concorrentes. É um composto", descreve Ziero. 

Projeto piloto do "Uber do varejo" começa em Farroupilha

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/03/05/206x137/1_casa_pet___esteio___credito_divulgacao_lojas_colombo-8999491.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5e616db3a4b44', 'cd_midia':8999491, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/03/05/casa_pet___esteio___credito_divulgacao_lojas_colombo-8999491.jpg', 'ds_midia': 'Empreendimento aposta em atendimento diferenciado aos animais', 'ds_midia_credi': 'LOJAS COLOMBO/DIVULGAÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Empreendimento aposta em atendimento diferenciado aos animais', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '706', 'align': 'Left'}
Testes começam a ser feitos com a entrega de pedidos da rede de lojas do segmento pet do grupo varejista
"Falar em tempo é ser online, nem horas nem minutos. O desafio é entregar o mais rápido possível." Esta é a senha, ressalta Odair Ziero, para o que a Lojas Colombo já vai colocar em campo como projeto piloto em Farroupilha, usando a operação de seu braço de varejo pet, com a bandeira Colombo Casa Pet. A iniciativa busca dar mais rapidez na logística de entrega.
O sistema que registra as compras e identifica onde está o cliente vai ser o canal para que entregadores possam entrar em ação, seja onde eles estiverem. A ideia é mobilizar, por exemplo, moradores do bairro onde mora o cliente, para fazer a entrega.
O serviço está sendo desenhado com startups apoiadas pelo grupo, que tem um braço de desenvolvimento de tecnologia. O foco é levar, no menor tempo possível, a mercadoria ao destino.
"Qualquer pessoa poderá se cadastrar para fazer a entrega e vai receber por isso", adianta o diretor comercial. O serviço não tem nome ainda, e Ziero compara a um Uber do varejo.
"É um bebê que estamos criando com todo carinho", define ele.
Quando a solução desembarcar na rede, a meta é reforçar ainda mais os estoques das lojas físicas, que serão minicentros de distribuição, explica o executivo. 

Estreias e expansões movimentam comércio no RS

Não é só a Lojas Colombo que elevou o ritmo de expansão. A coluna vem noticiando as ampliações das redes de varejo, com foco no Estado. Novo ídeo do #MinutoVarejo faz um resumo do setor.
Se você perdeu alguma coisa, acompanhe também a lista a seguir. Se tiver novidade no comércio em sua região, envia para [email protected]. Minuto Varejo tem apoio da CDL Porto Alegre
A catarinense Havan desembarcou em Porto Alegre no dia 12, após espera de 22 anos, segundo a bandeira. A rede vai abrir em Canela e Lajeado até dezembro e depois será a vez de Santa Rosa e Bagé, no começo de 2022. O aporte por loja é calculado em R$ 20 milhões, com 150 a 200 empregos.
Stok Center, da Comercial Zaffari, abre a primeira loja em Porto Alegre em 2 de setembro, ao lado da Havan. Mais duas unidades da bandeira de atacarejo abrem até novembro, somando 19.
O Imec, de Lajeado, abriu em Santa Cruz do Sul seu oitavo atacarejo. Mais dois vão estrear até dezembro: o primeiro em Porto Alegre e o segundo em Montenegro
O Asun adiantou a temporada de verão e chegou a Torres, antigo sonho dos donos, na última sexta-feira. Até dezembro, inaugura mais dois supermercados no Litoral Norte: em Tramandaí e Xangri-Lá. 
A Panvel confirmou, no balanço de resultados publicado na semana passada, que mantém o plano de ampliação em 2021, que ainda terá a abertura de mais de 30 novas filiais.
A Via, dona da Casas Bahia e do Ponto, vai ter mais 50 lojas até o fim de 2022 no Estado. A Casa Bahia inaugura mais 12 ainda este ano.
A Magazine Luiza vai aumentar de tamanho também. Serão duas em Santa Maria e mais filiais serão anunciadas.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO