Porto Alegre, quinta-feira, 25 de março de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 25 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Agronegócio

- Publicada em 12h02min, 25/03/2021. Atualizada em 16h40min, 25/03/2021.

RS se aproxima do final de uma colheita de soja recorde

Grão foi semeado em área igualmente histórica, de 6,075 milhões de hectares

Grão foi semeado em área igualmente histórica, de 6,075 milhões de hectares


WENDERSON ARAUJO/CNA/DIVULGAÇÃO/JC
Thiago Copetti
O Rio Grande do Sul acelera a colheita da soja nos próximos dez dias, especialmente, e se aproxima de um novo recorde de produção caso o clima siga favorável. Essa perspectiva vem sendo reforçada desde fevereiro, e agora o risco de não alcançá-la é muito pequeno, de acordo com a Emater.
O Rio Grande do Sul acelera a colheita da soja nos próximos dez dias, especialmente, e se aproxima de um novo recorde de produção caso o clima siga favorável. Essa perspectiva vem sendo reforçada desde fevereiro, e agora o risco de não alcançá-la é muito pequeno, de acordo com a Emater.
O órgão divulgou nesta quinta-feira (25) os dados da Safra de Verão 2020/2021. Depois de semear uma área igualmente histórica de 6,075 milhões de hectares (1,56% acima do ciclo passado), o Rio Grande do Sul poderá colher 20,2 milhões de toneladas do grão.
Até 2021, o Estado nunca havia superado as 19 milhões de toneladas, de acordo com Alencar Rugeri, diretor técnico da Emater. O ganho veio mesmo do aumento da área plantada, já que a produtividade não chegou a superar o recorde da safra 2016/2017, quando alcançou 3,385 mil quilos hectare – acima, portanto, dos 3.326 previstos para encerrar 2021.
“No momento, temos cerca de 50% da área colhida, mas não vejo riscos climáticos que possam afetar a produção a ponto de não atingirmos o recorde de mais de 20 milhões de toneladas”, diz Rugeri.
O diretor técnico estima que nos próximos dez dias sejam colhidos 30% da área ainda com o grão na terra e já maduro – o que equivale a 1,8 milhão de hectares até o início de abril.
“O Rio Grande do Sul tem capacidade de máquinas para fazer isso de forma rápida. E por isso, também, o fluxo de caminhões carregados com o grão vai aumentar consideravelmente nas estradas nos próximos dias”, acrescenta Rugeri.
Com uma produção de 24,6 mi de toneladas, sem contar o arroz, que terá os números divulgados separadamente pelo Irga. Somando milho, soja e feijão, o Rio Grande do Sul vai colher nesta safra 59,24% a mais do que na safra anterior, mais afetada pela estiagem. A soja, por exemplo, por conta do déficit hídrico maior em no ciclo 2019/2020, teve um incremento na produção de 80,02%, passando de 11,2 milhões de toneladas para 20,2 milhões de toneladas.
A estimativa de colheita grãos de verão no RS:
Soja
Área: 6 milhões ha (+1,56%)
Produção: 20,20 milhões ton (+80,02%)
Produtividade: 3,32 ton/ha (+76,63%)
Milho Grão
Área: 796,2 mil ha (+5,9%)
Produção: 4,32 milhões ton (+4,16%)
Produtividade: 5,43 ton/ha (-2,97%)
Feijão 1ª safra
Área: 37,4 mil ha (+1,23%)
Produção: 51,5 mil ton (-4,87%)
Produtividade: 1,37 ton/ha (-6,34%)
Feijão 2ª safra
Área: 23,4 mil ha (+0,82%)
Produção: 31,5 mil ton (+19,80%)
Produtividade: 1,34 ton/ha (+ 14,1%)
Milho Silagem
Área: 351,8 mil hectares (-0,66%)
Produção: 9,82 milhões ton (+8,84%)
Produtividade: 27,9 ton/ha (+9,33%)
Fonte: Emater
Comentários CORRIGIR TEXTO