Porto Alegre, quinta-feira, 19 de novembro de 2020.
Dia da Bandeira.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 19 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Pecuária

- Publicada em 09h42min, 19/11/2020.

Forum vai detalhar andamento da retirada da vacina contra aftosa no RS

Expectativa é abrir novos mercados de exportação para a carne gaúcha

Expectativa é abrir novos mercados de exportação para a carne gaúcha


FERNANDO DIAS/DIVULGAÇÃO/JC
O Fórum Estadual de Vigilância contra a Febre Aftosa, que será realizado on line no dia 3 de dezembro, vai apresentar as medidas que estão sendo executadas para o reconhecimento internacional do Estado como zona livre da doença sem vacinação e as perspectivas de mercado para o setor produtivo da carne. O fórum poderá ser acompanhado ao vivo em transmissão pelo You Tube (youtube.com/c/AgriculturaGOVRS), às 14h.
O Fórum Estadual de Vigilância contra a Febre Aftosa, que será realizado on line no dia 3 de dezembro, vai apresentar as medidas que estão sendo executadas para o reconhecimento internacional do Estado como zona livre da doença sem vacinação e as perspectivas de mercado para o setor produtivo da carne. O fórum poderá ser acompanhado ao vivo em transmissão pelo You Tube (youtube.com/c/AgriculturaGOVRS), às 14h.
O evento é organizado pelo Programa Estadual de Febre Aftosa da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), em conjunto com o Ministério da Agricultura (Mapa) e o Grupo Gestor Estadual do Plano estratégico do PNEFA 2017-2026. De acordo com a fiscal estadual agropecuário do Programa de Febre Aftosa, Grazziane Rigon, o fórum faz parte das atividades de implementação do Plano Estratégico para a evolução do status sanitário de febre aftosa no Estado, cujas diretrizes foram estabelecidas pela União.
“Isso já permitiu a retirada da vacinação do rebanho bovídeo gaúcho e o reconhecimento nacional do novo status sanitário e tem como principais pilares o fortalecimento do Serviço Veterinário Oficial, o aumento da vigilância epidemiológica contra a febre aftosa e a aproximação com o setor privado”, explica Grazziane.
Conforme a médica veterinária, manter as atividades previstas no plano é um compromisso para a conquista do status internacional junto à Organização Internacional de Saúde Animal (OIE). A organização define se aprova ou não o novo status sanitário do Rio Grande do Sul no encontro previsto para maio de 2021.
Comentários CORRIGIR TEXTO