Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 25 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Sistema Financeiro

Notícia da edição impressa de 26/03/2018. Alterada em 25/03 às 21h45min

Sistema financeiro ainda não se adaptou ao novo cálculo de juro do Bndes

Rabello citou o recuo na demanda para empréstimos no Bndes

Rabello citou o recuo na demanda para empréstimos no Bndes


MARCO QUINTANA/JC
Thiago Copetti
Será necessário tempo extra à adaptação do sistema bancário à nova taxa de juros que incide para empréstimos vinculados ao Bndes - que mudou, em janeiro deste ano, a taxa de TJLP (subsidiada pelo governo) para TLP (sem subsídio e mais próxima da Selic). Apesar de não ser mais permitido o fechamento de contratos de financiamento calculados com a TJLP, segundo o próprio presidente do Bndes, Paulo Rabello de Castro, ainda serão necessários entre 30 e 60 dias para que a TLP comece, efetivamente, a ser praticada.
O atraso no sistema poderia estar reduzindo o fechamento de contratos via Bndes, que teve queda acentuada na demanda por recursos no primeiro bimestre. Segundo Rabello - que esteve na Capital na sexta-feira para palestra na Fiergs -, houve um significativo recuo na demanda por créditos para pessoa jurídica neste ano. Antes do início da crise, em 2013, os valores correspondiam a 28% do PIB, e hoje não passam de 22%.
Para especialistas do mercado, como o presidente da Apimec Sul, José Oliveira, a queda é mais fruto da dúvida sobre o novo formato de cálculo e do que será pago posteriormente com TLP (o que não ocorria com a TJLP, prefixada). Esse, diz Oliveira, é o maior inibidor para novas tomadas de crédito. Basicamente, a TLP retira os subsídios do governo para empresas, aproximando a taxa cobrada das taxas de mercado. "Antes, enquanto a Selic estava em cerca de 14%, a TJLP chegava a ser de 7% ou menos. Agora, com a TLP, está praticamente igual (na sexta-feira, era de 6,76%, ante Selic de 6,5% a.a.)", explica Oliveira.
Como o cálculo da TLP tem uma parte pós-fixada, diz o presidente da Apimec, a taxa vai flutuar ao longo do contrato. Empresários ainda tentam entender exatamente como funcionará o sistema. Para Débora Morsch, sócia da Zenith Asset Management, hoje, prevalece a demanda por crédito, especialmente para capital de giro, mais do que para investimento, já que muitas empresas contam com parte da capacidade ociosa e precisarão aplicar recursos diretamente no negócio. É nessa linha, disse o presidente do Bndes, que o banco deverá avançar em 2018.
"Sempre fomos voltados ao desenvolvimento, mas as empresas têm demandado recursos para capital de giro, necessário para sobreviver e depois entrar em novo ciclo de investimentos", explicou.
Além dos temas econômicos, Rabello falou de seu futuro político. Candidato à corrida presidencial de 2018 pelo Partido Social Cristão (PSC), Rabello deve se desligar do banco até 7 de abril. Questionado se receberia apoio do Planalto nas eleições, desconversou. "Ainda não conversamos com o presidente da República como gostaríamos. Ainda não falei com quem decide e pode responder a essa pergunta, que mora em Brasília e chama-se Michel Temer", disse Rabello. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia