Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de abril de 2017. Atualizado às 21h49.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

Show

Notícia da edição impressa de 06/04/2017. Alterada em 05/04 às 17h16min

Toquinho celebra 50 anos de carreira subindo ao palco em Porto Alegre

Toquinho comemora 50 anos de carreira em Porto Alegre

Toquinho comemora 50 anos de carreira em Porto Alegre


MARCOS HERMES/DIVULGAÇÃO/JC
Cristiano Vieira
No palco do Araújo Vianna, amanhã, mais de cinco décadas de grandes clássicos da MPB estarão reunidos nas vozes de Toquinho, Ivan Lins e MPB4. Os ingressos estão quase esgotados - restam apenas para a plateia alta central (R$ 250,00 ou R$ 150,00 na promoção Opus). Venda na bilheteria do Bourbon Country e pelo site www.ingressorapido.com.br.
Toquinho, com seu violão inigualável, alia técnica, virtuosismo e sensibilidade em sucessos como Aquarela e Samba de Orly. Ivan Lins, mestre das harmonias, mostra canções de sucesso internacional como Dinorah e Começar de novo. Já o grupo vocal MPB4, grande intérprete dos mais conhecidos compositores da música popular brasileira, incluindo seus dois companheiros de cena, toca músicas inesquecíveis como Amigo é pra essas coisas e Roda Viva.
O show celebra a carreira de Toquinho, cujo clássico Aquarela imediatamente remete à memória afetiva de muitos brasileiros. "Aquarela é uma canção mágica. Foi criada em 1982, em menos de 15 minutos. É uma parceria com o italiano Mauricio Fabrizio. Tem uma letra extensa, nem pensava que fosse fazer tanto sucesso", admite ele.
Lançada na Itália primeiramente, em italiano, com letra de Guido Morra, alguns dias depois já resultou em disco de ouro por lá. "Fiz a versão para o português e o mesmo se deu aqui no Brasil, um sucesso rápido e retumbante, abrindo-me as portas definitivamente para o reconhecimento internacional como violonista e compositor", conta Toquinho.
A parceria atual começou há cerca de três anos. Segundo Toquinho, após os amigos se encontrarem em shows maiores, surgiu a ideia de fazer uma apresentação conjunta. "Minhas apresentações com o MPB4 começaram antes de meus shows com o Ivan Lins e resultaram em gravação de CD e DVD. Atuando juntos ou separados, o show flui numa constante parceria", conta ele.
Por falar em parceria, é com o mestre Vinicius de Moraes que Toquinho realizou uma profícua fase. "Minha parceria com Vinicius deu-se no momento certo para um e para outro. Um entrosamento entre poesia e melodia fortalecido por uma amizade muito forte que prevaleceu até os últimos instantes dele, quando morreu quase em meus braços."
De acordo com ele, do tempo vivido com o maestro da bossa nova ficou muita coisa: o sentido profissional das relações com as pessoas, a dinâmica e o comando de um espetáculo musical, até a percepção das palavras adequadas a cada acorde, da sincronia entre letra e música. "Mas o que mais sinto falta é do Vinicius amigo, dos papos descontraídos invadindo as madrugadas, sem tempo e com muita inteligência. Será sempre meu maior parceiro", diz, emocionado.
No show de amanhã, às 21h, quem primeiro entra no palco é o MPB4, que chama Toquinho e, juntos, cantam algumas canções. Depois, Ivan Lins se junta aos colegas. No fim, todos se reúnem novamente para mais três canções. "Um dos pontos altos do espetáculo é um divertido pot-pourri de músicas infantis que faço com o MPB4", conta Toquinho.
Antes, o músico gaúcho Alê Vanzella subirá ao palco do Araújo para uma breve apresentação. A partir das 20h30min, o convidado especial de abertura interpretará sucessos de seu disco mais recente, Indie Bossa II, que dá continuidade ao trabalho que criou a identidade do músico depois de reunir bossa nova e indie rock em diferentes composições.
O palco, por sinal, representa o local que Toquinho mais curte - "é a varanda dos meus melhores desempenhos. É ali que acontece a mais autêntica união entre instrumentista, músico e intérprete", completa ele - tendo o público como testemunha, claro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia