Porto Alegre, sábado, 25 de fevereiro de 2017. Atualizado às 15h54.

Jornal do Comércio

Galeria de imagens

Com polêmica sobre Belo Monte, escola trará indígenas em seu desfile no Rio

Em meio a uma polêmica com o setor do agronegócio brasileiro por causa do enredo sobre o parque indígena do Mato Grosso, a escola de samba Imperatriz Leopoldinense recebeu, na última quinta-feira (23), no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, 17 lideranças indígenas de diferentes etnias. Dez são do Alto Xingu e vão desfilar no Sambódromo domingo. O cacique Raoni (c), um dos principais militantes contra a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, na Bacia do Rio Xingu, também fazia parte da comitiva e deve vir no último carro do desfile da escola. A polêmica entre a escola e produtores rurais foi criada em razão das fantasias e parte da letra do samba da verde e branco: no desfile, a obra será representada por um monstro, num setor que mostrará as ameaças ao parque indígena - entre elas, o uso indiscriminado de agrotóxicos, o que despertou protestos no agronegócio. 
 

FOTO Yasuyoshi Chiba/AFP/JC
25/02/2017 - 15h52min