Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de novembro de 2016. Atualizado às 19h08.

Jornal do Comércio

Viver

COMENTAR | CORRIGIR

Música

Notícia da edição impressa de 04/11/2016. Alterada em 03/11 às 17h44min

Diversidade sonora no Meme

Após vencer o estival da Canção Francesa 2016, o cantor Ricardo Seffner estreia o show É preciso cantar o que é nosso. Em temporada nas sextas-feiras de novembro, no Meme Santo de Casa (Lopo Gonçalves, 176), o espetáculo conta com os músicos Mariano Telles (violões) e Martin Weiler (percussão) e com convidados especiais como Marisa Rotenberg, Simone Rasslan, Maria Luiza Fontoura e Cris Corrêa. Apresentações sempre às 21h, com ingressos a R$ 30,00.
A diversidade cultural do Brasil norteia o repertório de É preciso cantar o que é nosso, reunindo estilos e características de todas as regiões do País. O roteiro traz canções de reconhecidos compositores e intérpretes, como Zé Ramalho, Vinicius de Moraes, Tom Jobim, Nei Lisboa, Cazuza, Caetano Veloso, Vitor Ramil, Milton Nascimento, Gilberto Gil, Almir Sater, Chico Buarque, Roberto Carlos, Rita Lee, Marina Lima, Adoniran Barbosa, entre outros.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia