Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de novembro de 2016. Atualizado às 18h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 03/11 às 19h10min

Petróleo fecha em queda, ainda pressionado pela alta nos estoques do DoE

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda pela quinta sessão consecutiva nesta quinta-feira (3), ainda pressionados pela alta expressiva dos estoques da commodity nos Estados Unidos, cujos números foram divulgados ontem e revelaram alta surpreendente de 14,42 milhões de barris na semana passada.
O WTI para dezembro, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex), fechou em queda de 1,49%, a US$ 44,66 por barril. Já o Brent para janeiro recuou 1,08%, para US$ 46,35 por barril.
Ontem, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) informou que os estoques de petróleo cru nos Estados Unidos subiram 14,42 milhões de barris na semana encerrada em 28 de outubro, com o número total chegando a 482,578 milhões de barris. Para termos de comparação, os analistas consultados pelo The Wall Street Journal estimavam alta de 1 milhão.
A disparada foi provocada, principalmente, pelo aumento das importações, que chegaram a uma média de 9 milhões de barris por dia na semana passada, 2 milhões a mais do que na semana anterior, segundo o DoE. "Com a manutenção sazonal das refinarias, é fácil ver como o acúmulo aconteceu", afirmou Stuart Ive, gerente na OM Financial.
Outros analistas notaram também que muitos dos cargueiros que chegaram aos EUA na semana passada faziam parte de entregas adiadas por causa do mau tempo de semanas atrás.
Em meio a esse excesso nos estoques, nem a declaração da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de que está otimista com um acordo de cortar a produção conseguiu frear a queda livre dos preços.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia