Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Opinião

Opinião

- Publicada em 26 de Julho de 2022 às 20:23

Home Office e segurança do trabalho

Grazieli Nunes

Grazieli Nunes

O Dia Nacional da Prevenção de Acidentes do Trabalho, comemorado em 27 de julho, iniciou da necessidade em realizar trabalho de prevenção e conscientização nas empresas e na sociedade em geral, pois os números de acidentes e doenças ocupacionais ainda assustam.

Nos últimos dez anos, 22.954 mortes no mercado de trabalho formal foram registradas no País. Apenas em 2021 foram comunicados 571,8 mil acidentes e 2.487 óbitos associados ao trabalho, com aumento de 30% em comparação ao ano de 2020. Os dados são do Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, desenvolvido e mantido pelo Ministério Público do Trabalho (MPT)

A pandemia fez com que a maioria das empresas se desafiassem buscando alternativas para não perder minimamente suas produções. A grande maioria transformou as suas residências em home office e muitas delas ainda não retornaram à sistemática anterior. Acreditam que o valor de despesas aumenta, principalmente mantendo aluguel de prédios e salas, além do próprio deslocamento dos colaboradores que, mesmo em home office, colhem bons resultados.

A prática de home office no Brasil tem novas regras para trabalhadores que são CLT. Em março de 2022 foi publicada uma medida provisória que regulamenta o trabalho remoto e ajusta a legislação trabalhista para garantir os direitos e deveres de quem já está e irá trabalhar nesse formato, mas ainda assim existem dúvidas sobre o tema: quais os riscos de doenças ou acidentes de trabalho?

Ao implementar esse sistema de trabalho, as empresas continuarão a ter responsabilidade sobre a saúde e o bem-estar dos trabalhadores. O empregado pode se acidentar ou lesionar em seu domicílio em decorrência do seu trabalho. Por exemplo: ao não utilizar materiais como cadeira e mesa com uma análise ergonômica e orientação sobre tempo de exposição a luminosidade de um computador.

O colaborador deve receber orientação e treinamento e assinar uma ata de tal conduta para que juridicamente tanto empresa quanto empregado estejam amparados legalmente. Temos que colocar em prática a NR-17 que regulamenta e orienta sobre Ergonomia no ambiente de trabalho.

A tecnologia é aliada e jamais deve ser razão de adoecimento. Basta cada um desempenhar suas atividades de uma forma consciente e seguindo toda legislação, assim não deixando sua produção ficar prejudicada mesmo estando em home office. Colaborador saudável produz mais e melhor e empresa rende e seu lucro será mais significativo. Saúde e Segurança em primeiro lugar, sempre!

Enfermeira do Trabalho e docente Senac Saúde

 

Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO