Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Coronavirus

- Publicada em 27 de Maio de 2020 às 16:38

Contaminação pela Covid-19 está estável no Rio Grande do Sul, mostra estudo da Ufpel

Pesquisa aponta que 20,2 mil pessoas já tiveram contato com o vírus no Estado

Pesquisa aponta que 20,2 mil pessoas já tiveram contato com o vírus no Estado


IMPRENSA EPIDEMIOLOGIA UFPEL/DIVULGAÇÃO/JC
Gabriela Porto Alegre
O governo do Estado divulgou nesta quarta-feira (27) o resultado da quarta etapa da pesquisa que busca avaliar o avanço da Covid-19 no Rio Grande do Sul. Nesta etapa, o estudo desenvolvido pela Universidade Federal de Pelotas (Ufpel), em parceria com outras 12 universidades, identificou que 20.226 pessoas já tiveram contato com o vírus no Estado. O dado, apesar de ser 4,8 mil a menos do que o divulgado na terceira etapa (24,8 mil), mostra que esse é um indicativo de estabilidade do vírus no Rio Grande do Sul.
O governo do Estado divulgou nesta quarta-feira (27) o resultado da quarta etapa da pesquisa que busca avaliar o avanço da Covid-19 no Rio Grande do Sul. Nesta etapa, o estudo desenvolvido pela Universidade Federal de Pelotas (Ufpel), em parceria com outras 12 universidades, identificou que 20.226 pessoas já tiveram contato com o vírus no Estado. O dado, apesar de ser 4,8 mil a menos do que o divulgado na terceira etapa (24,8 mil), mostra que esse é um indicativo de estabilidade do vírus no Rio Grande do Sul.
Nesta quarta. o governo também comunicou as novas orientações para o setor de educação. As aulas presenciais nas escolas gaúchas voltam em 1º de julho.
A pesquisa da Ufpel ganhará ainda uma segunda fase, com quatro novas etapas, previstas para iniciar em junho e terminar em agosto. “Seguiremos monitorando a proporção da população gaúcha infectada pelo coronavírus até o meio de agosto. Então, isso tornará esse estudo gaúcho ainda mais inédito”, afirmou Pedro Hallal, reitor da Ufpel.
Nesta última etapa da primeira fase, foram testadas 4,5 mil pessoas das cidades de Porto Alegre, Canoas, Pelotas, Caxias do Sul, Santa Cruz do Sul, Santa Maria, Passo Fundo, Ijuí e Uruguaiana. Os municípios onde as amostras foram coletadas representam 31% da população gaúcha, estimada em 11,3 milhões.
Das 4,5 mil amostras coletadas nesta etapa, oitos deram resultado positivo, o que equivale a 0,18% da população com anticorpos para a doença. Ainda, a pesquisa estima que exista um infectado a cada 562 habitantes e que, no Estado, 20.226 pessoas já tenham tido contato com a doença.
Dos oito casos positivos desta etapa, quatro foram identificados em Passo Fundo, dois em Uruguaiana, um em Porto Alegre e um em Pelotas. De acordo com Hallal, a pesquisa estima que para cada um milhão de habitantes no Rio Grande do Sul, existem 1.778 infectados reais e 580 notificados. Ou seja, que para cada caso confirmado, existem cerca de três não notificados, o que mostra que “não há crescimento descontrolado do coronavírus no Rio Grande do Sul”, segundo o pesquisador.
Durante as quatro fases da pesquisa, pessoas que testaram positivo para a doença também tiveram seus familiares testados. Dos 52 familiares testados nas quatro fases do estudo, 14 tiveram resultados positivos e 38 negativos.
Entre as 26 pessoas que tiveram testes positivos ao longo das quatro fases do estudo, os principais sintomas relatados foram: tosse (23,1%), dor de garganta (15,4%), diarreia (15,4%), dificuldade para respirar (7,7%), alterações no olfato ou paladar (7,7%) e febre (3,8%). Hallal lembrou ainda que as estimativas levam em consideração pessoas que apresentaram um ou mais sintomas.
A letalidade da doença, baseada nos 6.559 casos notificados foi de 3%. Já em relação ao total de casos estimados pela pesquisa, 20.226, a letalidade foi de 0,97%. O reitor da Ufpel reforçou ainda a importância das políticas de distanciamento social, visto que elas podem ser consideradas as grandes responsáveis por essa estabilidade na disseminação do vírus no Estado.
Hallal destacou que os dados da pesquisa indicam leitura adequada do quadro, Ele se referiu a dados baseados em notificações, com maior testagem da população, que mostram crescimento. O coeficiente de incidência passou de 33,0 por 100 mil habitantes na semana passada para os atuais 59,6, com alta de 80,6% em uma semana. O dado se baseia em notificações.   

Rio Grande do Sul é um dos estados que mais mantém taxa de isolamento

No que diz respeito ao distanciamento social, na primeira etapa da pesquisa 20,6% dos entrevistados afirmaram que estavam saindo diariamente, 58,3% que estava saindo apenas para atividades essenciais e 21,1% sempre em casa. Na segunda etapa, 28,3% estavam saindo diariamente, 53,4% somente para atividades essenciais e 18,3% estavam sempre em casa. Na terceira fase, o cenário também não teve muitas mudanças: 30,4% afirmaram que estavam saindo diariamente, 56,1% apenas para atividades essenciais e 16,5% sempre em casa.
Nesta última etapa da primeira fase, os resultados também não sofreram muitas alterações: 31,5% continuam saindo diariamente, 54% somente para atividades essenciais e 14,5% ficam sempre em casa. “O Rio Grande do Sul é um dos estados que mais tem apresentado resultados positivos”, afirmou Hallal, lembrando que, mesmo com esses resultados, o Estado deve ter cautela.
O governador Eduardo Leite, por sua vez, elogiou a pesquisa e se mostrou satisfeito com os resultados apresentados. “A pesquisa viabiliza acompanhar esses indicadores e entender a velocidade e o estágio que estamos em relação ao coronavírus no Rio Grande do Sul”, disse. “As novas quatro rodadas serão importantes, principalmente agora com a chegada do inverno”.
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO