Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

INVESTIMENTOS

- Publicada em 21 de Novembro de 2022 às 18:00

Docile investe para se consolidar como maior exportadora de doces do País

Fábrica da Docile está localizada em Lajeado, no Vale do Taquari

Fábrica da Docile está localizada em Lajeado, no Vale do Taquari


DOCILE/ DIVULGAÇÃO/JC
Eduardo Torres
Entre cores, sabores, formatos e consistências que ganham o cliente pelo gosto e visual, nada melhor do que contar com a imagem da estrela mirim do skate brasileiro, Rayssa Leal, a Fadinha. Ela, e toda a energia positiva que o esporte representa é o símbolo da campanha "doces gentilezas" da fabricante de doces Docile, de Lajeado, em uma ação de consolidação de marca no Brasil e, principalmente, no exterior. Com investimento de R$ 10 milhões em marketing, os gaúchos chegam ao fim de 2022 com aportes de R$ 40 milhões quando somadas as ações de melhoria na sua produção, no Vale do Taquari. Até o final de 2023, chegarão a R$ 110 milhões em investimentos. A estratégia é consolidar a Docile no posto conquistado este ano de maior exportadora brasileira de guloseimas.
Entre cores, sabores, formatos e consistências que ganham o cliente pelo gosto e visual, nada melhor do que contar com a imagem da estrela mirim do skate brasileiro, Rayssa Leal, a Fadinha. Ela, e toda a energia positiva que o esporte representa é o símbolo da campanha "doces gentilezas" da fabricante de doces Docile, de Lajeado, em uma ação de consolidação de marca no Brasil e, principalmente, no exterior. Com investimento de R$ 10 milhões em marketing, os gaúchos chegam ao fim de 2022 com aportes de R$ 40 milhões quando somadas as ações de melhoria na sua produção, no Vale do Taquari. Até o final de 2023, chegarão a R$ 110 milhões em investimentos. A estratégia é consolidar a Docile no posto conquistado este ano de maior exportadora brasileira de guloseimas.
E para garantir esta permanência, explica o sócio-diretor e um dos fundadores da empresa, Ricardo Heineck, é fundamental entender o paladar destes consumidores e sempre inovar. "Existem particularidades. Nos Estados Unidos, por exemplo, o cliente gosta mais da acidez. Já no mercado europeu, a demanda maior é por produtos orgânicos. E nós, na Docile, atendemos a isso. Nosso crescimento está sustentado, principalmente, pelas nossas linhas de produtos mais modernas. Nossa ideia é sempre agregar mais valor ao produto. Aquela bala de menta, dura, já não atrai o consumidor. É preciso provocar sensações diferentes ao consumidor, como por exemplo, produzir balas em tubinhos, marshmellows recheados", explica Heineck.
E para dar conta disso, foi preciso transformar a produção em Lajeado e também na segunda operação da empresa, em Vitória do Santo Antão, em Pernambuco. Até o final de 2022, serão aportados R$ 30 milhões para ampliar a área de produção em 7 mil metros quadrados e instalar equipamentos importados para novas linhas de produção. A expectativa da empresa é de que em 2023, já se consiga ampliar a produção em mais de 12,5%, saltando de 4 milhões de quilos de doces por mês para 4,5 milhões quilos. A nova linha, explica Heineck, deve estar em produção plena a partir do início de 2024.
Hoje, a Docile comercializa 170 linhas produtos. É a primeira empresa brasileira, por exemplo, a entrar no mercado norte-americano com a especialidade deles, os marshmellows. Por isso, toda expansão é acompanhada de inovação. "Nós passamos a trabalhar com o marshmellow recheado, com o marshmellow em novos sabores. Por exemplo, agora na Copa do Mundo, estamos lançando o inédito marshmellow sabor pipoca, que é único no mundo", conta o empresário.
Já a linha de produtos que tem a imagem da Fadinha como uma marca, coloca no mercado doces produzidos com corantes e todos os ingredientes orgânicos. "Crianças que antes não podiam comer doces, hoje podem porque desenvolvemos esta evolução. Inovar sempre é o nosso lema na Docile", garante Heineck.
A gentileza, neste caso, não ficou somente na imagem dos doces e da empresa. Partiu para a prática. Todos os distribuidores que receberam produtos da linha "doces gentilezas" foram convidados a indicarem entidades assistenciais para receberem doações da Docile. Ao todo, 1% do valor das vendas é destinado a este repasse, que já chega a R$ 200 mil doados a 15 entidades.
Com 31 anos no mercado, a Docile carrega uma tradição de mais de 80 anos da família na produção de doces. São 1,5 mil funcionários que, no próximo ano, devem chegar a 1,7 mil. A expectativa é fechar 2022 com um crescimento de 40% a 50% no mercado externo e 25% no Brasil.
"Nós crescemos com recursos próprios, e temos concorrência no Brasil de empresas que recebem aportes internacionais e de grandes marcas. É um esforço maior em um mercado que não tem uma rentabilidade tão alta", diz Ricardo Heineck.
A Docile, segundo ele, está entre as cinco maiores produtoras de doces do Brasil.

FICHA TÉCNICA

Investimento: R$ 40 milhões (total: R$ 110 milhões até 2023)
Empresa: Docile
Cidade: Lajeado
Área: indústria
Estágio: em execução até 2023
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO

Faça aqui a sua pesquisa

Utilize um dos campos abaixo: