Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Energia

- Publicada em 22 de Setembro de 2022 às 15:06

Selo + Energia Sustentável qualificará empresas do segmento solar fotovoltaico

Ação é resultado de uma parceria entre Ufrgs, Sebrae RS, Senai-RS e Banrisul

Ação é resultado de uma parceria entre Ufrgs, Sebrae RS, Senai-RS e Banrisul


Banrisul/Divulgação/JC
Jefferson Klein
Com o objetivo de apoiar o crescimento do setor solar fotovoltaico e ampliar as práticas sustentáveis no Rio Grande do Sul, foi lançado nesta quinta-feira (22) o Selo + Energia Sustentável que irá capacitar e destacar as empresas que atuam nessa área com qualidade. A ação é oriunda de uma parceria formada entre Ufrgs, Sebrae RS, Senai-RS e Banrisul.
Com o objetivo de apoiar o crescimento do setor solar fotovoltaico e ampliar as práticas sustentáveis no Rio Grande do Sul, foi lançado nesta quinta-feira (22) o Selo + Energia Sustentável que irá capacitar e destacar as empresas que atuam nessa área com qualidade. A ação é oriunda de uma parceria formada entre Ufrgs, Sebrae RS, Senai-RS e Banrisul.
Nesta etapa do programa, foram selecionadas 30 empresas de pequeno, médio e grande porte do Rio Grande do Sul, integradoras de sistemas fotovoltaicos (os populares painéis solares), para participar dessa edição do projeto. A professora e pesquisadora do curso de Engenheira de Gestão de Energia da Ufrgs, Aline Pan, detalha que a universidade fará o diagnóstico dessas companhias, desenvolvendo metodologia e indicadores de desempenho para avaliar essas empresas.
Feita a análise inicial e após as companhias passarem por cursos de capacitação do Sebrae RS e do Senai-RS, essas empresas serão novamente abordadas para mensurar a evolução das suas práticas e serão indicadas medidas para alcançar uma qualificação ainda maior. De acordo com o êxito desses empreendedores, eles receberão o Selo + Energia Sustentável no nível ouro, prata ou bronze.
A previsão é de as companhias concluírem o programa por volta de setembro do próximo ano, quando há a expectativa da abertura de uma nova turma de empresas. Aline frisa que se trata de uma integração entre academia e setor produtivo. “A universidade atuando com toda a sua expertise técnica, o Banrisul com a questão do financiamento e a discussão de sustentabilidade, e o Sebrae RS e o Senai-RS capacitando as companhias, tanto na forma de gestão como na parte técnica”, comenta a professora.
Dentro desse cenário, a Ufrgs será a responsável pela criação do selo e pela metodologia de avaliação das empresas. Já o Sebrae RS, além de ofertar workshops e consultorias em gestão, será um dos financiadores do programa. O Senai-RS oferecerá cursos para instaladores e projetistas e o Banrisul vai subsidiar juntamente com o Sebrae RS os treinamentos, além de financiar projetos sustentáveis. Para participar, as empresas precisam estar adimplentes com o Banrisul e o Sebrae RS.
Aline ressalta que a intenção é que o setor da energia fotovoltaica faça uma concorrência de qualidade. “A maioria das empresas integradoras tem dois anos de mercado, essas companhias conhecem um mercado vendendo muito, daqui a pouco vai dar uma estacionada e daí como elas vão estar preparadas?”, alerta a professora. Futuramente, a ideia é que o selo englobe também outras ações na área de energia renovável e a eficiência energética.
O diretor de crédito do Banrisul, Osvaldo Lobo Pires, acrescenta que o objetivo também consiste em trabalhar em parceria e promover a pauta ESG (Environmental, social, and corporate governance) que, segundo ele, é algo estratégico para o banco e para o desenvolvimento do Estado. Pires salienta que há um enorme e rentável potencial quanto às atividades ligadas ao campo da energia renovável. “Mas, exige capacitação e investimento em tecnologia”, reforça. O secretário-adjunto da Secretaria estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura, Guilherme de Souza, complementa que a iniciativa é relacionada a um dos importantes temas globais do momento, que é a questão climática. “E o engajamento de vários setores com esse assunto é que possibilitará uma mudança”, sustenta Souza.
O pró-reitor de Inovação e Relações Institucionais da Ufrgs, Geraldo Pereira Jotz, defende que é essencial que a pesquisa universitária renda frutos para a sociedade. “Temos que tirar os muros da universidade para que a sociedade entre”, afirma. Já o diretor regional do Senai-RS, Carlos Artur Trein, lembra que a área fotovoltaica está se desenvolvendo exponencialmente. “Porém, é preciso se preocupar com a segurança da instalação, porque cresceu absurdamente esse tipo de serviço”, adverte o dirigente. Ele enfatiza que é necessário preparar os profissionais que atuam nesse segmento.
Por sua vez, o gerente Regional Metropolitana do Sebrae RS, Paulo Bruscato, recorda que a instituição já atua no setor de energia há décadas. Ele argumenta que a parceria do Sebrae com outras entidades em iniciativas como o Selo + Energia Sustentável fortalece as ações adotadas na melhoria de uma atividade. “E precisamos ficar do lado do microempreendedor para apoiar seu crescimento”, finaliza.
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO