Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Agro

Agro

- Publicada em 22 de Junho de 2022 às 19:15

Queda na produção de leite provoca alta expressiva nos preços do produto e seus derivados

Produção anual de leite reduziu em 196 milhões de litros em seis anos

Produção anual de leite reduziu em 196 milhões de litros em seis anos


carolina jardine/divulgação/jc
Diego Nuñez
As famílias gaúchas têm sentido os reflexos da alta do leite nos mercados. O litro de leite longa vida UHT já ultrapassa os R$ 5,00 em diversos supermercados do Rio Grande do Sul. A origem deste aumento não vem de agora. A indústria láctea, nesta metade de 2022, contabiliza perdas advindas ainda de 2021 e convive com redução mais acentuada de produção e de rebanho leiteiro desde 2015 - o que resulta numa perda de 196 milhões de litros por ano.

As famílias gaúchas têm sentido os reflexos da alta do leite nos mercados. O litro de leite longa vida UHT já ultrapassa os R$ 5,00 em diversos supermercados do Rio Grande do Sul. A origem deste aumento não vem de agora. A indústria láctea, nesta metade de 2022, contabiliza perdas advindas ainda de 2021 e convive com redução mais acentuada de produção e de rebanho leiteiro desde 2015 - o que resulta numa perda de 196 milhões de litros por ano.

Segundo o Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados (Sindilat-RS), o preço do litro de leite UHT repassado das indústrias para os atacados aumentou 57% no acumulado de janeiro a junho deste ano. Neste mesmo período, o preço pago ao produtor de vacas leiteiras pela matéria-prima subiu 61%.

"No ano passado, o setor não conseguiu repassar nada da alta nos custos de produção. Não que a gente não tenha tentado, mas o consumidor refutou. A própria matéria-prima subiu, em média, 13% em 2021. As indústrias, muitas fechando no vermelho, tinham que tentar fazer essa recuperação. É um custo represado do ano passado. A partir do final de abril, o mercado conseguiu aceitar o repasse de preço", explica o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini.

Na terça-feira, o Conselho Paritário Produtores/Indústrias de Leite do Estado do Rio Grande do Sul (Conseleite) projetou o valor de referência do litro de leite para o Estado em junho em R$ 2,6551.

A alta nos custos citada por Palharini tem a ver com a estiagem, que, além de prejudicar pastos, provocou quebras nas safras de soja e milho, principais componentes da ração animal, e com o aumento nos derivados do petróleo, principalmente por causa da guerra na Ucrânia, como as embalagens de queijo, as caixas de leite longa vida e condensado e a própria a gasolina do frete rodoviário.

"Em 2021, como tinha uma oferta maior do que o consumo, não pudemos repassar essa alta. Nesse momento, devido até à questão da estiagem, que reduziu em cerca de 10% a produção leiteira, ocorre uma diminuição da oferta", explica o secretário-executivo do Sindilat.

"Além disso, estamos no período entressafra nacional, o que também influencia. Normalmente, nesse período do ano, tem oferta menor de matéria-prima no Brasil todo. E como a perda de produção no Estado foi maior nos últimos anos, é evidente que isso colabora também", acrescenta Palharini.

De 2015 a 2021, o número de produtores de leite reduziu mais de 30%, caindo de 198,4 mil para 137,4 mil. O rebanho gaúcho de vacas leiteiras também ficou menor no período, caindo de 1,4 milhão de cabeças em 2015 para 1,06 milhão no ano passado - uma redução de 25,5%.

Assim, em seis anos, o Rio Grande do Sul perdeu quase 196 milhões de litros de leite em redução de produção anual, segundo o relatório socioeconômico da cadeia produtiva do leite no Estado, realizado pela Emater-RS.

A soma de todos esses fatores vai parar no bolso do consumidor, que observa, nas prateleiras, o litro do leite de caixinha ultrapassar os R$ 5,00, patamar considerado histórico ao consumidor final e com alerta de mais alta, pois o pico de preços vai até agosto.

 

Piracanjuba paralisa produção de leite UHT, condensado e creme no RS

O conglomerado Laticínios Bela Vista anunciou a redução temporária de parte das atividades da unidade de Carazinho da Piracanjuba "em função da falta da matéria-prima leite em todo o estado do Rio Grande do Sul", segundo nota enviada pela empresa. Serão paralisadas por tempo indeterminado as produções de leite UHT (longa vida), creme de leite, achocolatado e leite condensado. A produção de soro desmineralizado continuará normalmente.

Segundo a nota, serão mantidos parte dos postos de trabalho e, para os demais colaboradores, a empresa ofertará a possibilidade de remanejamento para as outras seis fábricas do grupo, localizadas em Maravilha (SC), Bela Vista de Goiás (GO), Governador Valadares (MG), Três Rios (RJ), Araraquara (SP) e Sulina (PR), ou, ainda, para os 12 postos de recepção de leite, localizados em várias regiões do país.

O fornecimento dos produtos Piracanjuba para o mercado gaúcho ocorrerá a partir da unidade catarinense, localizada na cidade de Maravilha, localizada próxima à fronteira com a Argentina, a cerca de 235 quilômetros de Carazinho e 518 quilômetros de Porto Alegre.

"Continuaremos coletando leite em todos os produtores da região, sem interrupção, e todo o leite captado será destinado à unidade de Nova Ramada, no Rio Grande do Sul", informou a Piracanjuba. Em 2019, o Laticínios Bela Vista assumiu a unidade de Carazinho, que pertencia à Nestlé. "Desde então, realizou importantes investimentos no parque tecnológico, aumentando e modernizando as linhas de produção. Toda essa estrutura será mantida na localidade, já que a expectativa é que, em um curto prazo, a produção leiteira da região volte ao normal, permitindo o pleno restabelecimento da produção da unidade", afirma a nota.

De acordo com o comunicado, a empresa reafirma seu compromisso com a cadeia leiteira e informa que, nas demais unidades, está mantida a produção e a parceria com mais de 8 mil produtores de leite, que fornecem a matéria-prima para um portfólio amplo e variado, com mais de 180 produtos.

Junto das marcas Pirakids, LeitBom, Chocobom e Viva Bem, a Piracanjuba compõe o conglomerado Laticinios Bela Vista, uma das quatro maiores indústrias de laticínios do Brasil, com capacidade de processamento de mais de 6 milhões de litros da matéria-prima por dia.

Cadeia leiteira cobra governo do Estado por falta de competitividade

O valor de referência do leite projetado para o Rio Grande do Sul em junho é de R$ 2,6551 o litro, segundo indicador divulgado pelo Conselho Paritário Produtores/Indústrias de Leite do Estado do Rio Grande do Sul (Conseleite).

De acordo com o coordenador do Conseleite, Eugênio Zanetti, a projeção reflete o momento de entressafra do leite no Sul do Brasil e a elevação de custos de produção no campo e na indústria, principalmente em função do reajuste de itens como o óleo diesel, o frete, as embalagens, e do próprio milho utilizado na ração do gado. "Os preços tiveram uma reposição necessária para garantir a rentabilidade da atividade leiteira", ponderou.

O momento, alertou ele, é de estreitar o diálogo com o governo do Estado para tentar encontrar um ponto de equilíbrio. Nos últimos meses, o setor lácteo vem enfrentando perda de competitividade com o impacto tributário do novo Fator de Ajuste de Fruição (FAF), já que Santa Catarina e Paraná não têm esse aumento de carga tributária e ainda possuem fábricas de embalagens acartonadas e embalagens secundárias mais desenvolvidas que o Rio Grande do Sul. Essa perda de competitividade, aliada ao alto custo de produção, tem contribuído para a diminuição do número de produtores e do volume de leite ofertado no campo.

Para o diretor-executivo do Sindilat-RS, Darlan Palharini, o caminho é o diálogo com o Palácio Piratini para que a cadeia dos lácteos retome competitividade perante os outros estados do Sul.

"Temos que mostrar ao governo e à Secretaria da Agricultura (Seapdr) que precisamos fazer uma discussão política e de Estado para que comece a se recuperar a produção. Santa Catarina e Paraná não tiveram redução de produção tão grande quanto aqui. Alguma questão está desequilibrada", afirma ele. "O principal motivo para a redução de rebanhos e produção é a política tributária, por conta de incentivos que outros estados acabam dando aos produtos, seja com uma tarifa elétrica diferenciada, seja por taxas juros investimento diferenciadas", conclui Palharini.

Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO