Porto Alegre, sexta-feira, 13 de maio de 2022.
Porto Alegre,
sexta-feira, 13 de maio de 2022.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Eleições 2022

- Publicada em 12/05/2022 às 18h49min.

Romildo Bolzan descarta Piratini e fica no Grêmio; PDT pode lançar Vieira da Cunha

Romildo Bolzan afirma que permanecerá no Grêmio até o final de 2022 e encerra rumores em torno de candidatura

Romildo Bolzan afirma que permanecerá no Grêmio até o final de 2022 e encerra rumores em torno de candidatura


RODRIGO FATTURI/GRÊMIO/DIVULGAÇÃO/JC
Diego Nuñez
O presidente Grêmio e ex-prefeito de Osório, Romildo Bolzan, anunciou que permanecerá no comando do tricolor gaúcho até dezembro de 2022 para concluir seu terceiro mandato no clube, descartando a possibilidade de ser o candidato do PDT ao governo do Rio Grande do Sul.
O presidente Grêmio e ex-prefeito de Osório, Romildo Bolzan, anunciou que permanecerá no comando do tricolor gaúcho até dezembro de 2022 para concluir seu terceiro mandato no clube, descartando a possibilidade de ser o candidato do PDT ao governo do Rio Grande do Sul.
Bolzan era ficha 1 no partido. Dependia apenas dele decidir ser o candidato pedetista ao Palácio Piratini. O presidente que levou o Grêmio ao tricampeonato da Libertadores da América e depois ao rebaixamento para a segunda divisão brasileira convocou uma coletiva no CT Luiz Carvalho para, finalmente, afastar definitivamente as dúvidas acerca de seu futuro no clube e na política estadual.
“Recebi o convite para concorrer ao governo do Estado e me sinto muito honrado, mas neste momento disse a eles que não poderia aceitar. O que está prevalecendo é o meu gremismo. Faço um mea culpa por esta demora. A pauta está encerrada, ultrapassada, concluída e definitiva”, declarou Bolzan.
Com o ex-prefeito de Osório fora da jogada, o PDT estuda seu próximo passo. Uma das possibilidades mais fortes é que o partido lance o nome do ex-deputado federal e ex-procurador de Justiça do Estado Vieira da Cunha como candidato a governador do Rio Grande do Sul.
No início do ano, Vieira da Cunha se licenciou do Ministério Público (MP) do Rio Grande do Sul justamente para ficar apto perante à Justiça Eleitoral para participar do pleito de outubro. “Como não tínhamos nada definitivo, sempre estivemos conversando com companheiros no sentido de que não chegássemos a pé neste momento”, afirmou o presidente do PDT gaúcho e médico do Grêmio, Ciro Simoni.
"Vieira da Cunha se licenciou do MP para concorrer, fosse para o Senado, para governador ou para vice-governador. Existe a possibilidade, ele é um dos principais nomes que temos, mas o partido tem que decidir. Não será decidido de cima para baixo. Depende de uma evolução”, relatou o pedetista.
Simoni citou também como possibilidades de concorrer ao Piratini pelo partido o ex-prefeito de Caxias do Sul Alceu Barbosa Velho, o ex-reitor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Paulo Burmann e os dois deputados federais do PDT: Afonso Motta e Pompeo de Mattos.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO