Porto Alegre, sexta-feira, 02 de julho de 2021.
Dia do Bombeiro Brasileiro.
Porto Alegre,
sexta-feira, 02 de julho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

stf

- Publicada em 16h33min, 02/07/2021.

Após depoimento, Barroso determina devolução do passaporte de Carlos Wizard

Empresário se apresentou à CPI da Covid na quarta, quando desembarcou dos Estados Unidos

Empresário se apresentou à CPI da Covid na quarta, quando desembarcou dos Estados Unidos


PEDRO FRANÇA/AGÊNCIA SENADO/JC
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a devolução do passaporte do empresário Carlos Wizard. O documento estava retido a pedido da CPI da Covid depois que ele faltou ao primeiro depoimento na comissão parlamentar.
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a devolução do passaporte do empresário Carlos Wizard. O documento estava retido a pedido da CPI da Covid depois que ele faltou ao primeiro depoimento na comissão parlamentar.
Apontado como integrante do suposto 'gabinete paralelo' de aconselhamento do presidente Jair Bolsonaro na pandemia e já inserido na lista de investigados da comissão de inquérito no Senado Federal, o empresário se apresentou aos parlamentares na quarta-feira (30), quando desembarcou dos Estados Unidos. Após o interrogatório, Barroso autorizou a liberação do passaporte.
"Defiro a liminar para determinar a devolução do passaporte do paciente, incumbindo ao Juízo da 1ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Campinas a adoção das providências necessárias. Comunique-se, com urgência, à autoridade impetrada e ao Juízo da 1ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Campinas", escreveu.
Na semana passada, ao suspender a condução coercitiva do empresário, o ministro avisou que decidiria 'oportunamente' sobre a devolução do documento.
Em seu depoimento, Wizard fez uso do habeas corpus que lhe garantiu direito ao silêncio e se recusou a responder a maioria das perguntas feitas pelos parlamentares. O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI, sinalizou que vai recorrer do salvo-conduto.
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário