Porto Alegre, sábado, 19 de junho de 2021.
Dia do Cinema Brasileiro.
Porto Alegre,
sábado, 19 de junho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Contas Públicas

- Publicada em 20h20min, 19/06/2021.

PEC pode parcelar dívidas de cidades e destravar verbas

Segundo a Receita Federal, a dívida dos municípios com o INSS soma hoje R$ 75,7 bilhões

Segundo a Receita Federal, a dívida dos municípios com o INSS soma hoje R$ 75,7 bilhões


Marcello Casal/Agência Brasil/JC
Deputados e prefeitos articulam a aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para criar um novo parcelamento de dívidas previdenciárias de municípios. O objetivo é dar às prefeituras 20 anos para quitar os débitos, que podem superar os R$ 100 bilhões, e ainda regularizar a situação dos municípios que hoje estão negativados por falta de pagamento e ficam sem receber recursos de convênios, transferências e até de emendas parlamentares destinadas por deputados e senadores a seus redutos eleitorais.
Deputados e prefeitos articulam a aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para criar um novo parcelamento de dívidas previdenciárias de municípios. O objetivo é dar às prefeituras 20 anos para quitar os débitos, que podem superar os R$ 100 bilhões, e ainda regularizar a situação dos municípios que hoje estão negativados por falta de pagamento e ficam sem receber recursos de convênios, transferências e até de emendas parlamentares destinadas por deputados e senadores a seus redutos eleitorais.
A PEC foi apresentada pelo deputado Silvio Costa Filho (Republicanos-PE) com apoio de outros 171 parlamentares da base aliada e da oposição - segundo ele, um sinal de que a pauta é "suprapartidária" e deve ter amplo apoio na Casa.
A proposta surge quatro anos depois de parcelamento semelhante ter sido criado por meio de uma lei de 2017, ainda durante o governo Michel Temer (2016-2019). Agora, porém, é preciso uma PEC porque a reforma da Previdência de 2019 limitou o prazo dessas negociações a 60 meses.
O texto autoriza cerca de 3,6 mil municípios que contribuem para o INSS a parcelar as dívidas em até 240 meses, com descontos de 80% em juros, 60% em multas e encargos e 50% em honorários advocatícios. O valor da parcela ficaria limitado a 2% da média mensal da Receita Corrente Líquida (RCL) do ano anterior ao do pagamento.
Outros 2,1 mil ficariam autorizados a renegociar os débitos nos regimes próprios de Previdência, também em 20 anos. A adesão nesse caso, porém, dependeria de a prefeitura comprovar que o município reformou as regras locais de aposentadoria com parâmetros semelhantes aos praticados no governo federal, incluindo a idade mínima.
Segundo apurou o Estadão/Broadcast, a proposta está sendo analisada pela área econômica. O pleito é considerado "legítimo", dado o rombo causada pela pandemia de covid-19 nas contas dos municípios, mas pode sofrer ajustes. O prazo e os descontos são considerados elevados pelo governo.
Além disso, será preciso calcular a renúncia potencial da medida, pois os valores das dívidas são expressivos. A Receita Federal informou que a dívida dos municípios com o INSS soma hoje R$ 75,7 bilhões. Já a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho informou que o saldo devedor de parcelamentos já realizados, tanto de Estados quanto de municípios, soma R$ 32 bilhões.
Autor da proposta, Costa Filho afirma que a PEC é uma "medida saneadora" para ajudar municípios que estão com dificuldades para quitar os débitos com a Previdência. Embora o Congresso Nacional tenha concedido um alívio temporário durante o estado de calamidade vigente em 2020, os pagamentos precisaram ser retomados em janeiro deste ano.
O deputado diz também que o novo parcelamento vai ajudar a recuperar a capacidade de investimento. "Um município que paga R$ 500 mil, com o parcelamento, passa a pagar R$ 80 mil, R$ 100 mil. Sobra dinheiro para investir", afirma.
Verba para prefeituras
Além do espaço para investimentos, os deputados têm interesse na PEC porque o parcelamento poderá regularizar a situação de 1.686 municípios que têm alguma pendência previdenciária no Cauc, uma espécie de cadastro de devedor das administrações municipais mantido pela União. Isso significa que 30% dos municípios brasileiros estão "negativados" no Cauc por causa de dívidas com o INSS ou o regime próprio.
O registro negativo trava as chamadas transferências voluntárias, que irrigam obras e programas locais, inclusive aqueles bancados por emendas parlamentares. "Isso começou a afetar os interesses de deputados", admite o presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski.
Às vésperas de um ano eleitoral, os congressistas até tentaram driblar restrições e colocaram na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021 a possibilidade de manter repasses para municípios de até 50 mil habitantes, mesmo com pendências no Cauc. Porém, esse dispositivo não alcança os débitos previdenciários, cujo pagamento é exigência da Constituição. Daí a necessidade da PEC.
Segundo Ziulkoski, além dos municípios que mergulharam em dificuldades por causa da pandemia, há aqueles que não aderiram à renegociação de 2017 por falta de informação. "Tem muita coisa no Orçamento que depende dessa regularização", afirma. Há pressão de parlamentares para que a PEC entre na pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) já na semana que vem. 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário