Porto Alegre, domingo, 04 de abril de 2021.
Aniversário da cidade de São Gabriel.
Porto Alegre,
domingo, 04 de abril de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

LEGISLATIVO

- Publicada em 17h54min, 04/04/2021. Atualizada em 17h58min, 04/04/2021.

PEC que propõe retirada de plebiscito para privatização de estatais segue em debate na AL

PEC que trata da venda da Corsan, Procergs e Banrisul terá mais uma semana de análise no Parlamento

PEC que trata da venda da Corsan, Procergs e Banrisul terá mais uma semana de análise no Parlamento


ARQUIVO CORSAN/DIVULGAÇÃO/JC
Mesmo após ter sua constitucionalidade aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa há mais de 10 dias, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 280/2019, que propõe a retirada da obrigatoriedade de plebiscito para a privatização das estatais Corsan, Banrisul e Procergs, ainda seguirá em debate no Parlamento ao longo desta semana. A venda das empresas será tratada em reunião da Comissão de Segurança e Serviços Públicos (CSSP), nesta segunda-feira (5), e analisada em pelo menos duas audiências públicas a serem agendadas na Comissão de Assuntos Municipais (CAM) da Casa.
Mesmo após ter sua constitucionalidade aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa há mais de 10 dias, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 280/2019, que propõe a retirada da obrigatoriedade de plebiscito para a privatização das estatais Corsan, Banrisul e Procergs, ainda seguirá em debate no Parlamento ao longo desta semana. A venda das empresas será tratada em reunião da Comissão de Segurança e Serviços Públicos (CSSP), nesta segunda-feira (5), e analisada em pelo menos duas audiências públicas a serem agendadas na Comissão de Assuntos Municipais (CAM) da Casa.
Antes do feriado de Páscoa, na quinta-feira (1), a PEC foi tema de reuniões de pelo menos três Comissões do Legislativo. Na Comissão de Segurança e Serviços Públicos (CSSP), um pedido de vista do deputado Gerson Burmann (PDT) fez com que a apreciação da matéria fosse adiada para esta segunda-feira (5), quando ocorrerá reunião virtual extraordinária do grupo, a partir das 14h.
O presidente da Comissão, Edegar Pretto (PT), chegou a apresentar seu parecer contrário à continuidade da PEC, e, antes do pedido de vista, fez a leitura de seu parecer, contrário à matéria, afirmando que a alteração almejada não competia aos deputados, e que a única forma de realizá-la seria pela eleição de uma nova assembleia constituinte.
Também apresentou uma série de argumentos condenando a privatização das empresas e disse que a medida, além de não resolver o problema das finanças públicas estaduais, não melhoraria os serviços prestados à população.
Já na Comissão de Assuntos Municipais da Casa o tema será analisado em duas audiências públicas, ainda a serem marcadas, que tiveram suas realizações aprovadas na quinta-feira (1). As agendas, com o intuito de debater mais a fundo a venda das estatias, foram propostas pelos deputados Juliana Brizola (PDT) e Valdeci Oliveira (PT).
Os parlamentares pretendem ouvir os presidentes da estatais, o chefe da Casa Civil, secretários do Planejamento e do Meio Ambiente e Infraestrutura; representantes da Famurs, dos Coredes e de sindicatos e associções representativas dos trabalhadores das empresas em questão. O objetivo dos deputados é analisar a repercussão da privatização das estatais sobre os municípios gaúchos.
Atualmente, 317 das 497 cidades do RS mantêm contratos com a Corsan, o que preocupa prefeitos e gestores municipais. Em reunião na quarta-feira passada  (31), 250 municípios definiram por pedir a suspensão da PEC.
A decisão de privatizar a Corsan foi anunciada pelo governador Eduardo Leite no dia 18 de março, para cumprir metas do marco do saneamento. No começo de 2019, Leite conseguiu aprovar a PEC 272 que eliminou o plebiscito para vender a CEEE, Sulgás e CRM.
Já os membros da Comissão de Finanças, Planejamento, Fiscalização e Controle (CFPFC), reunidos em 1 de março, rejeitaram pedido de realização de audiência pública para debater a repercussão nas finanças públicas da PEC 280/2019. Proposta pelo deputado Pepe Vargas (PT), a solicitação tinha por objetivo discutir os impactos orçamentários, financeiros e patrimoniais da possibilidade de venda das estatais, com convite para participação dos secretários da Fazenda, do Planejamento, Governança e Gestão, e do Meio Ambiente e Infraestrutura, além dos presidentes das estatais e representantes sindicais.
Na ocasião, o líder do governo na Casa, deputado Frederico Antunes (PP), alertou que outras comissões já haviam aprovado a realização de audiências públicas conjuntas para tratar do tema, e sugeriu que a Comissão de Finanças se somasse às agendas das demais. Ele reiterou ainda que não se trata de privatização de empresas públicas, mas sim de uma alteração constitucional, como defende o governo.
Comentários CORRIGIR TEXTO