Porto Alegre, terça-feira, 30 de março de 2021.
Porto Alegre,
terça-feira, 30 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

governo federal

- Publicada em 13h03min, 30/03/2021.

Crise na ala militar acarreta exoneração dos três comandantes das forças armadas

General Edson Pujol, comandante do Exército, foi um dos militares que deixou o governo

General Edson Pujol, comandante do Exército, foi um dos militares que deixou o governo


SERGIO LIMA/AFP/JC
O Ministério da Defesa informou nesta terça-feira (30) que todos os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica serão substituídos. A decisão foi comunicada, segundo a pasta, na reunião dos três oficiais com o novo ministro, Walter Braga Netto, e o antecessor, Fernando Azevedo e Silva.
O Ministério da Defesa informou nesta terça-feira (30) que todos os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica serão substituídos. A decisão foi comunicada, segundo a pasta, na reunião dos três oficiais com o novo ministro, Walter Braga Netto, e o antecessor, Fernando Azevedo e Silva.
A reunião dos comandantes das Forças Armadas, na manhã desta terça-feira (30) teve momentos de tensão. O Estadão apurou que o mais exaltado no encontro foi o almirante Ilques Barbosa, da Marinha, com reações que beiraram à insubordinação, conforme relatos de presentes. O encontro dos oficiais com Braga Netto foi marcado após o presidente Jair Bolsonaro demitir Azevedo e Silva do Ministério da Defesa, nessa segunda (29). O agora ex-ministro resistiu a um alinhamento político das Forças Armadas com o governo.
Como revelou o Estadão, além do comandante do da Marinha, o do Exército, general Edson Leal Pujol, e o da Aeronáutica, Moretti Bermudes, colocaram seus cargos à disposição.
A intenção dos três comandantes com o gesto é deixar claro que não dariam um passo que possa contrariar a Constituição ou caracterizar ingerência nos outros Poderes, o Judiciário e o Legislativo.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO