Porto Alegre, terça-feira, 30 de março de 2021.
Porto Alegre,
terça-feira, 30 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

governo federal

- Publicada em 12h28min, 30/03/2021.

Bolsonaro repete discurso sobre medidas de isolamento: 'eu não fecho nada'

'A vida é tão importante quanto a questão do emprego' afirmou o presidente a apoiadores

'A vida é tão importante quanto a questão do emprego' afirmou o presidente a apoiadores


MARCELO CAMARGO/DIVULGAÇÃO/JC
O presidente Jair Bolsonaro repetiu nesta terça-feira (30), como tem feito desde o início da pandemia, o discurso de que não é o responsável por políticas de fechamento de setores econômicos adotadas no País para evitar o avanço da Covid-19.
O presidente Jair Bolsonaro repetiu nesta terça-feira (30), como tem feito desde o início da pandemia, o discurso de que não é o responsável por políticas de fechamento de setores econômicos adotadas no País para evitar o avanço da Covid-19.
"Eu não fecho nada, eu não fecho nada. A vida é tão importante quanto a questão do emprego", disse a apoiadores. Na saída do Palácio da Alvorada, o presidente ouviu queixas de um simpatizante sobre os fechamentos praticados em alguns Estados para evitar a disseminação do novo coronavírus.
Ao contrário da retórica de Bolsonaro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o distanciamento social e medidas de isolamento como forma de prevenir o maior contágio pelo vírus. Bolsonaro, contudo, é crítico a essa estratégia pelo seu impacto na atividade econômica. Por esse motivo, ao longo da pandemia, o chefe do Executivo antagonizou governadores e prefeitos que adotaram medidas de fechamento.
O presidente chegou a entrar com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra os governos do Distrito Federal, Bahia e Rio Grande do Sul para derrubar decretos de "toque de recolher" à população adotados pelos governadores. A ação foi rejeitada pelo ministro Marco Aurélio Mello na semana passada.
A ação apresentada por Bolsonaro foi também um dos motivos para a saída de José Levi da Advocacia-Geral da União (AGU) anunciada nesta segunda-feira junto de outras cinco mudanças no governo. Levi se recusou a assinar a ação apresentada por Bolsonaro para derrubar decretos de toque de recolher.
O processo foi movido pelo próprio presidente e não pela AGU, que é responsável por representar judicialmente os interesses do Planalto perante o STF. Na avaliação do ministro do Marco Aurélio caberia à AGU formalizar o pedido e, por isso, ele rejeitou o recebimento da ação.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO