Porto Alegre, segunda-feira, 15 de março de 2021.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 15 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

tributos

- Publicada em 16h15min, 15/03/2021.

Congresso fará a reforma tributária 'possível', não a 'ótima', diz Lira

Para ele, há um consenso sobre a necessidade de reformulação

Para ele, há um consenso sobre a necessidade de reformulação


LUÍS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que o Congresso fará a reforma tributária "possível", não a "ótima". Ele destacou que o assunto mexe com interesses "gigantescos" e que é preciso haver união entre todos.
O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que o Congresso fará a reforma tributária "possível", não a "ótima". Ele destacou que o assunto mexe com interesses "gigantescos" e que é preciso haver união entre todos.
Lira afirmou que o Congresso tem perfil reformista e que registrou grandes vitórias no primeiro biênio do governo, como a aprovação da reforma da Previdência. O presidente da Câmara ponderou, no entanto, que o segundo biênio é mais curto e, por isso, é preciso escolher prioridades e trabalhar por consensos.
"Se ao final vamos ter ou não aprovação da reforma tributária, a sociedade vai acompanhar", disse, em live dos jornais O Globo e Valor Econômico.
Questionado sobre as tentativas anteriores de discussão de propostas de reformulação do sistema tributário nos últimos anos, todas fracassadas, Lira disse que sua obrigação, como presidente da Câmara, é pautar o debate no parlamento. "Nossa obrigação é propiciar o debate sobre reforma tributária", disse.
Para ele, há um consenso sobre a necessidade de reformulação, embora haja opiniões divergentes sobre a melhor forma de fazer essa mudança entre os diversos setores da economia.
Segundo Lira, a reforma deve buscar um mínimo de convergência em busca da simplificação e da desburocratização.
Já presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que o governo federal não deve encaminhar uma nova proposta própria de reforma tributária ao Congresso Nacional. A medida vai ser discutida com base nos textos que tramitam atualmente na Câmara e no Senado, afirmou Pacheco durante evento virtual promovido pelos jornais O Globo e Valor Econômico.
Durante a fala no evento, o presidente do Senado afirmou que a reforma tributária levanta divisões dentro do setor produtivo e entre União, Estados e municípios. Ele apontou uma controvérsia em torno do tema porque o poder público não quer perder arrecadação e, por outro lado, empresas e cidadãos se recusam a pagar mais impostos.
Apesar do cenário, ele manifestou expectativa na aprovação de uma proposta ainda neste ano.
"Não é uma missão fácil, nós reconhecemos, mas é preciso escolher. Política é a arte de escolher", afirmou o senador. "Vai ser um teste a todo instante de quem vai poder ceder mais para que tenhamos um sistema tributário lógico, razoável, simplificado e desburocratizado."
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO