Porto Alegre, quarta-feira, 03 de março de 2021.
Dia do Meteorologista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 03 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

contas públicas

- Publicada em 10h13min, 03/03/2021.

Vamos autorizar governo a fazer novo endividamento, diz relator da PEC Emergencial

Senador Marcio Bittar disse que recursos necessários para auxílio são um orçamento 'paralelo'

Senador Marcio Bittar disse que recursos necessários para auxílio são um orçamento 'paralelo'


WALDEMIR BARRETO/AGÊNCIA SENADO/JC
O senador Marcio Bittar (MDB-AC), relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, afirmou nesta quarta-feira (3) que a matéria irá incluir a possibilidade de o governo contratar novos empréstimos.
O senador Marcio Bittar (MDB-AC), relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, afirmou nesta quarta-feira (3) que a matéria irá incluir a possibilidade de o governo contratar novos empréstimos.
"Vamos autorizar o governo federal a fazer - e não há como tapar o sol com a peneira - um novo endividamento", afirmou Bittar em entrevista à rádio CBN. "Não há outra saída", completou.
O senador disse que os recursos necessários para auxílio emergencial são um orçamento "paralelo".
"Se tem alguma coisa que me sinto confortável de defender uma necessidade 'extrateto' na questão social é o atendimento de pessoas que precisam do Estado", afirmou Bittar, que mencionou outras propostas que passaram por fora do teto de gastos, como recursos para entes federados e para ampliar o Fundeb.
Segundo Bittar, os dispositivos que travam o aumento de despesas quando gastos superarem 95% da arrecadação são tema pacificado no Senado.
"Entendo que estamos prontos para aprovar o auxílio emergencial, dando autorização para o governo, ao mesmo tempo em que a gente cria mecanismos de contenção dos gastos públicos", afirmou sobre acordo entre os líderes.
Sobre os valores necessários para alavancar a proposta, Bittar ressaltou a incerteza do fim da pandemia e disse que optou por não fixar um valor uma vez que "quando se coloca um valor, se debate e acaba subindo mais do que seria conveniente para as contas públicas brasileiras".
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO