Porto Alegre, sexta-feira, 05 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 05 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

coronavírus

- Publicada em 21h29min, 04/02/2021.

PGR abre apuração sobre ações de Bolsonaro na pandemia

Procedimento preliminar vai apurar atuação do presidente Jair Bolsonaro (foto) e do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no enfrentamento do coronavírus

Procedimento preliminar vai apurar atuação do presidente Jair Bolsonaro (foto) e do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no enfrentamento do coronavírus


EVARISTO SA/AFP/JC
O procurador-geral da República, Augusto Aras, abriu um procedimento preliminar para apurar a atuação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.
O procurador-geral da República, Augusto Aras, abriu um procedimento preliminar para apurar a atuação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.
O chefe do Ministério Público Federal (MPF) vem sofrendo pressão, tanto interna quanto externa, para investigar a responsabilidade das autoridades do governo federal durante a pandemia, que já levou à morte de mais de 220 mil brasileiros.
Aras comunicou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura da apuração, ao analisar um pedido feito por deputados federais do PCdoB, que acusam Bolsonaro e Pazuello da prática de delitos de prevaricação e de perigo para a vida ou a saúde de outras pessoas.
Os parlamentares acionaram o Supremo criticando a atuação de Bolsonaro e Pazuello particularmente no enfrentamento da pandemia nos estados de Amazonas e do Pará. O grupo acusa o governo federal de propagar a "utilização de medicamentos que não têm eficácia científica", em referência à hidroxicloroquina.
Para os deputados, Pazuello e Bolsonaro devem ser responsabilizados - o ministro da Saúde, "em razão de inércia"; o chefe do Executivo, "por postura isentiva e descompromissada em relação às políticas de combate ao novo coronavírus no âmbito do Sistema Único de Saúde".
Comentários CORRIGIR TEXTO