Porto Alegre, sábado, 19 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 19 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Funcionalismo

- Publicada em 18h33min, 18/12/2020. Atualizada em 21h28min, 19/12/2020.

Justiça manda Banrisul conceder empréstimo do 13º a servidores com restrição de crédito

Até agora, liminares atingiam professores, policiais, aposentados e pensionistas e Nível Superior

Até agora, liminares atingiam professores, policiais, aposentados e pensionistas e Nível Superior


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Depois de liminares obrigando o Banrisul a conceder empréstimo do 13º salário a integrantes de categorias mesmo com limites de crédito, agora uma nova determinação tem alcance para todos os segmentos que integram o funcionalismo estadual ligado ao Executivo.  
Depois de liminares obrigando o Banrisul a conceder empréstimo do 13º salário a integrantes de categorias mesmo com limites de crédito, agora uma nova determinação tem alcance para todos os segmentos que integram o funcionalismo estadual ligado ao Executivo.  
Medidas já haviam atingido professores, policiais civis, aposentados e pensionistas e técnicos de Nível Superior. O banco diz que os valores podem ser contraídos até 30 de dezembro. Mas o despacho do juiz da 16ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre João Ricardo dos Santos Costa diz que a concessão deve ocorrer mesmo após a data, até o pagamento pelo Executivo.  
O governo vai pagar os valores, com atraso, em 12 parcelas, no último dia útil de cada mês de janeiro a dezembro de 2021. Os depósitos terão correção de 1,22% (inflação e juros) por mês. 
O juiz determinou que o empréstimo deva ser feito sem análise de crédito e casos de inadimplência, cadastro negativo e demanda judicial e sem exigência de renegociação de débito ou desistência de ações judiciais. A operação também deve ser disponibilizada pelo aplicativo. 
A Defensoria Pública do Rio Grande do Sul ingressou com ação coletiva na Justiça e obteve decisão favorável. Com isso, o banco deve liberar os recursos, antecipando o que depois será pago em 12 parcelas pelo Estado, mesmo a correntista com saldo negativo e quem tem ações ajuizadas contra a instituição.
Antes de ingressar com a ação, o Núcleo de Defesa do Consumidor da Defensoria Pública chegou a pedir informações sobre a conduta e "recebeu a confirmação de que o banco não concederia o empréstimo", explica por nota.
Comentários CORRIGIR TEXTO