Porto Alegre, quarta-feira, 16 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 16 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Funcionalismo

- Publicada em 14h17min, 16/12/2020. Atualizada em 17h43min, 16/12/2020.

Justiça determina que Banrisul conceda antecipação do 13º a professores estaduais

Servidores, principalmente aqueles com pendências financeiras, relataram dificuldades com o 13º

Servidores, principalmente aqueles com pendências financeiras, relataram dificuldades com o 13º


NÍCOLAS CHIDEM/JC
Atualizada às 15h38minA Justiça determinou nesta quarta-feira (16) que o Banrisul conceda empréstimos da antecipação do 13º salário a todos os servidores da Educação, mesmo os que tenham pendências financeiras com o banco.
Atualizada às 15h38minA Justiça determinou nesta quarta-feira (16) que o Banrisul conceda empréstimos da antecipação do 13º salário a todos os servidores da Educação, mesmo os que tenham pendências financeiras com o banco.
A liminar foi concedida após ação do Cpers impetrada na Justiça em Porto Alegre. A decisão abrange apenas os servidores da Educação, entre ativos e inativos.
O juiz João Ricardo dos Santos Costa, da 16ª Vara Cível da Comarca de Porto Alegre, concedeu tutela provisória de urgência para que o banco efetue imediatamente o empréstimo, independentemente de qualquer restrição financeira, cadastro negativo, dívida ou demanda judicial.
A decisão também assegurou que o crédito pode ser solicitado mesmo após o dia 30 de dezembro, prazo que foi estipulado pelo Banrisul.
Em caso de descumprimento, a liminar define multa de R$ 10 mil para cada situação identificada de negativa. Solicitado posicionamento pelo JC, o Banrisul informou que não irá se manifestar sobre decisões judiciais.
O pedido liminar foi feito nessa terça-feira (15), primeiro dia de disponibilidade da linha de crédito. De acordo com o Cpers, diversos representantes da categoria relataram dificuldades com a operação, especialmente aqueles com restrição de crédito, inadimplência e ações ajuizadas contra o banco.
"O congelamento de salários por seis anos e os cortes de direitos e vantagens levam educadores(as) a contraírem sucessivos endividamentos, já que muitos são obrigados a “comprar” a própria remuneração com juros no início de cada mês, esgotando suas opções de crédito junto ao banco", afirma o sindicato, em nota.
O banco havia informado, em resposta a esclarecimento pedido pelo JC diante de dúvidas de leitores sobre as regras de liberação, que seriam feitas a partir de análise, seguindo regras de risco e crédito da instituição. 
"Essa linha de crédito é uma relação direta entre o Banrisul e o cliente tomador do empréstimo, que se submete às políticas de risco e crédito do banco. Os clientes podem esclarecer suas dúvidas com as suas agências de relacionamento", havia indicado, por nota.
Comentários CORRIGIR TEXTO