Porto Alegre, segunda-feira, 30 de novembro de 2020.
Dia da Reforma Agrária.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 30 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Eleições 2020

- Publicada em 03h00min, 30/11/2020.

Melo vence eleição em Porto Alegre

Marcus Meneghetti

Depois de vencer a eleição de Porto Alegre com 54,63% dos votos válidos (370.550 sufrágios), contra 45,37% (307.745) da adversária Manuela d'Ávila (PCdoB), o prefeito eleito da Capital, Sebastião Melo (MDB), revelou o que pretende fazer nesta semana: hoje, terá uma reunião com o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB); na terça-feira, com o governador Eduardo Leite (PSDB); e, na quarta, com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Depois de vencer a eleição de Porto Alegre com 54,63% dos votos válidos (370.550 sufrágios), contra 45,37% (307.745) da adversária Manuela d'Ávila (PCdoB), o prefeito eleito da Capital, Sebastião Melo (MDB), revelou o que pretende fazer nesta semana: hoje, terá uma reunião com o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB); na terça-feira, com o governador Eduardo Leite (PSDB); e, na quarta, com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O cronograma foi revelado pelo próprio Melo, durante o discurso da vitória, no início da noite de ontem, no auditório do Hotel Ritter (em frente à rodoviária). Antes de ele chegar ao local, um grupo de militantes já o aguardava em frente ao hotel. "Fora Manuela, Porto Alegre não vai ser Venezuela", gritavam.

Melo estava visivelmente emocionado, com os olhos cheios de lágrimas e a voz embargada. Foi abraçado por pessoas com e sem máscara de proteção à Covid-19. A euforia foi tanta que poucas pessoas se preocuparam em manter um distanciamento seguro.

Cercado de apoiadores, Melo se dirigiu lentamente até o auditório. Lá, agradeceu dezenas de pessoas. Eram tantos que queria elogiar que o emedebista chegou a fazer várias listas - uma para cada partido aliado, elencando as pessoas que mencionaria.

Ao responder as perguntas dos jornalistas, Melo anunciou a agenda. Conforme o prefeito eleito, as três reuniões buscam "simbolizar a união". E complementou: "o prefeito tem que governar com união e olhando para frente. Ideologia não resolve problemas; trabalho e comprometimento, sim".

No encontro com Marchezan, hoje, disse que pretende iniciar a transição, que, neste ano, terá apenas 30 dias. Segundo o emedebista, um dos principais temas serão as medidas de contenção da pandemia de coronavírus na cidade.

"A Covid-19 vai ser o tema central da transição", garantiu Melo, acrescentando que vai manter "as medidas contra a Covid-19 que deram certo". Ele também quer revisar os mais de 70 decretos do prefeito Marchezan sobre as medidas de distanciamento social.

Além disso, Melo cogita enviar alguns projetos a uma sessão extraordinária da Câmara Municipal no dia 1º de janeiro. Entre eles, a matéria relacionada à reforma administrativa, a que cancela os aumentos do IPTU a partir de 2022 e o projeto que perdoa multas de empresas que foram autuadas durante a pandemia. "Dependendo de como for a transição, vamos enviar esses projetos em uma sessão extraordinária da Câmara."

Na sequência, revelou que quer se reunir com o governador Eduardo Leite (PSDB) amanhã, para tratar de duas pautas principais: o Cais Mauá e as áreas que o Estado possui em Porto Alegre, que podem ser usadas para regularização fundiária.

Por fim, pediu ao deputado federal Bibo Nunes - apoiador incondicional de Bolsonaro - e ao deputado estadual Tenente Coronel Zucco (PSL) - amigo pessoal do vice-presidente general Hamilton Mourão (PRTB) - para agendarem uma agenda com o presidente na quarta-feira.

"Com o Bolsonaro, vamos tratar da vacina. (...) Mas também vamos falar de obras em Porto Alegre que tinham o financiamento da Caixa Economica Federal, como a da avenida Severo Dullius (cujo financiamento foi perdido na atual gestão)", projetou.

O prefeito eleito mencionou ainda o que pretende fazer na sua administração em relação aos servidores públicos municipais. "Vamos ter que reduzir a máquina pública, manter o equilíbrio fiscal e montar um grupo para analisar o déficit da Previdência do município, que vai começar a consumir R$ 1,5 bilhão."

Melo fez uma única menção a Manuela. "Tivemos problemas, sim, na reta final do segundo turno. Mas quero deixar aqui o meu reconhecimento à minha adversária, que chegou legitimamente ao segundo turno", disse.

Comentários CORRIGIR TEXTO