Porto Alegre, domingo, 29 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 29 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

eleições 2020

- Publicada em 20h08min, 29/11/2020.

Deputado federal Eduardo Braide é eleito prefeito de São Luís

Principal nome da oposição na capital do Maranhão, o deputado federal Eduardo Braide (Podemos) será o próximo prefeito de São Luís. Com 100% das urnas apuradas neste domingo (29), Braide registrou 55,53% dos votos válidos e superou Duarte Júnior (Republicanos), com 44,47%.
Principal nome da oposição na capital do Maranhão, o deputado federal Eduardo Braide (Podemos) será o próximo prefeito de São Luís. Com 100% das urnas apuradas neste domingo (29), Braide registrou 55,53% dos votos válidos e superou Duarte Júnior (Republicanos), com 44,47%.
Disputando a prefeitura de São Luís pela segunda vez consecutiva, Braide consolidou-se nos últimos anos como principal nome da oposição ao prefeito Edivaldo Holanda (PDT) e ao governador Flávio Dino (PCdoB) na capital maranhense.
Na campanha eleitoral deste ano, Braide adotou um perfil ameno, evitando enfrentamentos com os adversários e com o governador. Em entrevistas e debates, buscou elencar emendas que se reverteram em obras e equipamentos na capital maranhense.
No 2º turno, recebeu o apoio de aliados do governador Flávio Dino, como o PDT do senador Weverton Rocha e do DEM do deputado estadual Neto Evangelista, terceiro colocado no primeiro turno.
A aliança fez desmoronar a tentativa de união dos candidatos aliados do governador Flávio Dino (PCdoB) em torno de Duarte Júnior (Republicanos), implodindo a base do governador no principal colégio eleitoral do estado.
O movimento antecipou o debate em torno da sucessão de Dino em 2022, cujos principais nomes da base aliada são o senador Weverton Rocha (PDT) e o vice-governador Carlos Brandão (Republicanos).
Também colocou em xeque a capacidade de articulação do governador em um momento em que ele se coloca como um possível candidato ao Planalto e defende a construção de uma aliança ampla para enfrentar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).
A vitória de Braide representa uma derrota de Flávio Dino. O governador, que ficou de fora da eleição na capital no 1º turno, mergulhou de cabeça no apoio ao seu aliado Duarte Júnior na segunda etapa da eleição.
Além do PDT e DEM, Braide também foi apoiado por dois dos principais adversários do governador: o senador Roberto Rocha (PSDB), que o apoiou desde o 1º turno, e a ex-governadora Roseana Sarney (MDB).
O candidato derrotado Duarte Júnior é advogado, foi aluno de Flávio Dino na universidade e entrou na política pelas mãos do governador. Nos últimos anos, ocupou a superintendência do Procon e a gestão do Viva Cidadão no governo estadual.
Filiado ao PCdoB entre 2015 e 2020, Duarte deixou o partido neste ano após perder a disputa interna para o candidato Rubens Júnior. Filiou-se ao Republicanos, legenda do vice-governador Carlos Brandão.
Na campanha, Duarte foi atacado por outros candidatos da base por estar em um partido que nacionalmente apoia o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Duarte, contudo, afirmou que não tem nenhuma relação com o ideário defendido pelo presidente.
No 1º turno, a base aliada do Flávio Dino (PCdoB), dividiu-se entre cinco candidaturas -Duarte Júnior (Republicanos), Rubens Júnior (PC do B), Neto Evangelista (DEM), Bira do Pindaré (PSB) e Yglésio Moyses (Pros).
O campo da oposição, por outro lado, saiu praticamente unificado em torno da candidatura de Eduardo Braide. A expectativa era que, neste 2º turno, todos os candidatos da base de Flávio Dino derrotados no primeiro turno se unissem em torno de Duarte, o que acabou não acontecendo.
Além de Neto Evangelista (DEM), o candidato Yglésio Moyses (PROS) também apoiou a candidatura do oposicionista Braide.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO