Porto Alegre, terça-feira, 24 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 24 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Eleições 2020

- Publicada em 16h18min, 24/11/2020.

Candidatos à prefeitura de Porto Alegre elevam tom na reta final da campanha

Manuela d'Ávila (E) e Sebastião Melo (D) atacaram posicionamentos de adversário em debate da Rádio Guaíba, em parceria com a Amrigs.

Manuela d'Ávila (E) e Sebastião Melo (D) atacaram posicionamentos de adversário em debate da Rádio Guaíba, em parceria com a Amrigs.


Reprodução/reprodução Facebook/JC
Marcus Meneghetti
Faltando cinco dias para o segundo turno da eleição municipal em Porto Alegre, os dois candidatos à prefeitura da capital, Sebastião Melo (MDB) e Manuela d’Ávila (PCdoB), elevaram o tom dos seus discursos. No debate desta terça-feira (24), organizado pela Rádio Guaíba, em parceria com a Associação Médica do Rio Grande do Sul (Amrigs), eles atacaram seu adversário - criticando propostas, mudanças de posicionamento e apoios considerados espúrios.
Faltando cinco dias para o segundo turno da eleição municipal em Porto Alegre, os dois candidatos à prefeitura da capital, Sebastião Melo (MDB) e Manuela d’Ávila (PCdoB), elevaram o tom dos seus discursos. No debate desta terça-feira (24), organizado pela Rádio Guaíba, em parceria com a Associação Médica do Rio Grande do Sul (Amrigs), eles atacaram seu adversário - criticando propostas, mudanças de posicionamento e apoios considerados espúrios.
O debate teve quatro blocos. No primeiro e no terceiro, os candidatos fizeram perguntas um ao outro. No segundo bloco, eles responderam questões sobre saúde, formuladas pela Associação Médica do Rio Grande do Sul. No último bloco, o debate foi livre, sem a intervenção do mediador, durante 20 minutos.
Em vários momentos, Melo buscou desgastar Manuela, associando-a a figura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT); lembrando que a candidata faz parte do Partido Comunista do Brasil; e mencionando que um dos maiores apoiadores de Manuela – o governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB) – governa um dos estados mais inseguros e com maior índice de pobreza do Brasil.
Em alguns momentos, ao comparar as propostas, Melo elogiou ironicamente: “a senhora estuda a cidade. E reconheço que estuda bastante. Mas eu vivo a cidade”.
Manuela, por sua vez, buscou colar a imagem de Melo às administrações anteriores – especialmente a de José Fortunati, na qual o emedebista foi vice-prefeito. Em diversos momentos, Manuela cobrou explicações sobre obras inacabadas. “Por que razão a população deveria acreditar que tu vais fazer agora o que tu não fez quando estava no governo?”, questionou ao longo do debate, se dirigindo ao oponente.
Ela também apontou contradições no discurso de Melo. “Em 2016, o senhor chegou a ir à porta da Carris, defende-la contra a privatização proposta pelo então candidato a prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB). Agora defende a privatização”, exemplificou.
Comentários CORRIGIR TEXTO