Porto Alegre, segunda-feira, 23 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 23 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Organização dos Estados Americanos

- Publicada em 03h00min, 23/11/2020.

OEA faz críticas à Justiça Eleitoral após primeiro turno

Uma missão de observadores da Organização dos Estados Americanos (OEA) que acompanhou as eleições municipais no primeiro turno elogiou os esforços para a realização do pleito no Brasil em plena pandemia, mas fez uma série de críticas à Justiça Eleitoral em pontos como acompanhamento público do uso do fundo eleitoral e a análise jurídica das candidaturas.
Uma missão de observadores da Organização dos Estados Americanos (OEA) que acompanhou as eleições municipais no primeiro turno elogiou os esforços para a realização do pleito no Brasil em plena pandemia, mas fez uma série de críticas à Justiça Eleitoral em pontos como acompanhamento público do uso do fundo eleitoral e a análise jurídica das candidaturas.
Os 14 observadores, de nove nacionalidades, estiveram em seções eleitorais pelo País, entrevistaram autoridades responsáveis e publicaram um relatório prévio sobre os temas analisados na quarta-feira (18). Foi a segunda vez que a entidade, que reúne 35 países das Américas, fez esse trabalho no Brasil - a primeira havia sido em 2018.
De maneira geral, o grupo parabenizou o trabalho de organização da eleição e o compromisso de realização do pleito em uma complexa situação como a provocada pelo coronavírus.
Em relação a um dos principais temas da organização das eleições, o uso da urna eletrônica, os diplomatas não levantaram dúvidas sobre a confiabilidade do sistema e destacaram a tradição de agilidade na apuração dos resultados.Na semana passada, após o primeiro turno, o presidente Jair Bolsonaro voltou a questionar a segurança do modelo de votação brasileiro.
Em seu trabalho de observação, a equipe da OEA recomendou que sejam ampliadas ocasiões públicas de auditoria, de forma a "dar garantias à população", e também sugeriu mais presença de partidos políticos na fiscalização das urnas.
Um dos procedimentos públicos citados é a chamada "votação paralela", demonstração na qual técnicos fazem um teste público de alguns dos equipamentos no dia da votação.
Em entrevista por email, o chefe da missão, o uruguaio Agustín Espinosa, disse: "Na democracia, há espaço para todas as opiniões, mas o importante é que esse debate ocorra mais a nível técnico do que a nível político. Que os questionamentos tenham consistência e que as respostas esclareçam as dúvidas".
O atraso na divulgação dos resultados, na noite do domingo, foi mencionado pelos diplomatas no informe, que elogia a maneira transparente com a qual o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), presidido pelo ministro Luís Roberto Barroso, comunicou o problema à população. O custo de organização da eleição foi estimado em outubro em R$ 647 milhões. Outros R$ 2 bilhões de recursos públicos foram destinados ao financiamento dos candidatos.
Para os observadores, há ineficiência na fiscalização dos recursos destinados aos candidatos e faltam funcionários para o volume de trabalho de acompanhamento das prestações de despesas dos partidos. Também dizem que não foi concluído um sistema eletrônico de análise automática de contas, como era previsto.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO