Porto Alegre, terça-feira, 17 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 17 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Eleições 2020

- Publicada em 18h33min, 16/11/2020. Atualizada em 08h58min, 17/11/2020.

Manuela recebe oficialmente apoio do PSOL no segundo turno em Porto Alegre

Anúncio na sede municipal do PSOL teve a presença de Manuela, Fernanda e outras lideranças

Anúncio na sede municipal do PSOL teve a presença de Manuela, Fernanda e outras lideranças


JOYCE ROCHA/JC
Marcus Meneghetti
A candidata à prefeitura de Porto Alegre Manuela d’Ávila (PCdoB) recebeu oficialmente, no início da tarde desta segunda-feira (16), o apoio da candidatura de Fernanda Melchionna (PSOL) no segundo turno das eleições em Porto Alegre.
A candidata à prefeitura de Porto Alegre Manuela d’Ávila (PCdoB) recebeu oficialmente, no início da tarde desta segunda-feira (16), o apoio da candidatura de Fernanda Melchionna (PSOL) no segundo turno das eleições em Porto Alegre.
Na segunda etapa do pleito, Manuela - que teve 29% dos votos válidos no primeiro turno - vai enfrentar o ex-vice-prefeito Sebastião Melo (MDB) - que somou 31,01% dos votos.
No anúncio oficial, realizado na sede municipal do PSOL, Manuela, Fernanda e outras lideranças do PSOL concordaram não só que Melo pertence ao grupo político que governa Porto Alegre há 16 anos, mas também que representa o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nesta eleição. A campanha deve se basear nisso. 
Além de Fernanda e o vice Márcio Chagas (PSOL), os quatro vereadores eleitos pelo PSOL compareceram à sede dos socialistas para receber Manuela e seu vice, Miguel Rossetto. Também havia militantes do PSOL, assessores e jornalistas. Foi o primeiro pronunciamento de Manuela depois de receber o apoio de Fernanda.
A primeira liderança a falar foi Fernanda Melchionna, cuja campanha foi baseada em dois pontos: derrotar o atual prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB); e combater o bolsonarismo na Capital. “Ainda bem que o povo de Porto Alegre demitiu o Marchezan, não o velando para o segundo turno o pior prefeito da nossa história”, comemorou Fernanda.
“Mas a luta ainda não está completa. Ainda tem representantes da velha direita na candidatura de Sebastião Melo, de partidos e governos que governaram a prefeitura da Capital por 16 anos, atacando servidores, fazendo negociata com os Cargos de Confiança (CC), colocando na corrupção os recursos públicos tão importantes para o nosso povo. Por isso, esse projeto precisa ser derrotado”, continuou.
Ao se pronunciar, o vereador eleito pelo PSOL Mateus Gomes (o quinto mais votado) complementou: “o Melo apareceu como o cavalo de troia do bolsonarismo aqui na Capital, querendo fazer um discurso mediado, de centro (no primeiro turno). Mas, dentro da candidatura dele, tem tudo o que existe de pior na política do nosso Estado e do Brasil. Vamos ter que dialogar muito com o povo que apostou nas candidaturas negras de periferia (para à Câmara Municipal), para mostrar o que a candidatura de Melo e seus aliados trazem”.
Depois da fala dos socialistas, Manuela agradeceu ao apoio. Lembrou que Fernanda, Mateus e ela se conheceram muito jovens no movimento estudantil de Porto Alegre. E projetou: “teremos que mostrar para a população que só existe um caminho diferente do atual, só um caminho que não pactuou com o que aconteceu na última década na cidade. Porto Alegre é governada pela mesma turma há 16 anos. Entra lá, sai aqui, abraça na foto ali... mas é a mesma turma”.
Em seguida, alfinetou o adversário. “É a turma que quer vender a Carris, que quer tirar os nossos idosos do sistema de transporte. É a turma que quer tirar com a polícia as mulheres e homens pobres das comunidades, que não luta por regularização fundiária, que luta para que os terrenos e os prédios fiquem vazios. É a turma que, na véspera da eleição, reduz a tarifa de ônibus, mas que, durante o último ciclo, fez uma licitação que permitiu que a tarifa fosse a mais cara do Brasil e que os ônibus não chegassem às comunidades mais distantes”, criticou.
Comentários CORRIGIR TEXTO