Porto Alegre, sexta-feira, 13 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 13 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Gente

- Publicada em 17h23min, 13/11/2020. Atualizada em 17h46min, 13/11/2020.

Deputado Osmar Terra testa positivo para a Covid-19

Terra foi um dos principais críticos do distanciamento social e defensor do isolamento vertical

Terra foi um dos principais críticos do distanciamento social e defensor do isolamento vertical


VALTER CAMPANATO/ABR /JC
O deputado federal gaúcho Osmar Terra (MDB-RS), conhecido pelas atitudes negacionistas e pelas diversas previsões erradas sobre o coronavírus, testou positivo para a doença. O anúncio foi feito pelo parlamentar em seu perfil no Twitter nesta sexta-feira (13). No início da pandemia, Terra foi alçado ao posto do guru do bolsonarismo na área da saúde e subestimou o número de mortos. O País já tem 5,7 milhões de casos confirmados e supera 164 mil óbitos.
O deputado federal gaúcho Osmar Terra (MDB-RS), conhecido pelas atitudes negacionistas e pelas diversas previsões erradas sobre o coronavírus, testou positivo para a doença. O anúncio foi feito pelo parlamentar em seu perfil no Twitter nesta sexta-feira (13). No início da pandemia, Terra foi alçado ao posto do guru do bolsonarismo na área da saúde e subestimou o número de mortos. O País já tem 5,7 milhões de casos confirmados e supera 164 mil óbitos.
"Estou bem e sem sintomas. Já iniciei tratamento precoce com hidroxicloroquina e ivermectina. Comecei o isolamento em casa e cumprirei minha agenda de forma remota nos próximos dias seguindo instruções médicas", publicou na rede social.
Ex-ministro da Cidadania, Terra foi um dos principais críticos do distanciamento social e defensor do isolamento vertical, no qual a quarenta é feita apenas por idosos e pessoas do grupo de risco. O discurso também foi adotado pelo presidente Jair Bolsonaro, que argumenta que "tão importante quanto preservar vidas, é preservar a economia".
Nesta sexta-feira, 13, por exemplo, o presidente se referiu a segunda onda doença como "conversinha". No dia 18 de março, Terra disse que o coronavírus mataria menos que o H1N1, que vitimou 2.098 pessoas em 2009. Em 7 de abril, ele fez outra falsa previsão e disse que a Covid-19 mataria menos que a gripe sazonal no Rio Grande do Sul, mencionando 950 mortos. O número foi alcançado três dias depois. Dois dias depois, em conversa com o atual ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, o deputado tentou acertar outra vez e chutou "entre 3 e 4 mil mortos".
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO