Porto Alegre, terça-feira, 06 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 06 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

governo federal

- Publicada em 03h00min, 06/10/2020.

Bolsonaro indicará Jorge Oliveira para vaga no TCU

Secretário-geral da Presidência, Oliveira (e) é amigo de Jair Bolsonaro

Secretário-geral da Presidência, Oliveira (e) é amigo de Jair Bolsonaro


/Antonio Cruz/ Agência Brasil/JC
O presidente Jair Bolsonaro avisou ao presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), José Múcio Monteiro, que indicará o ministro da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira, para substituí-lo na corte. Múcio decidiu antecipar sua aposentadoria para 31 de dezembro. Ele poderia ficar mais três anos no TCU, até completar 75 anos.
O presidente Jair Bolsonaro avisou ao presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), José Múcio Monteiro, que indicará o ministro da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira, para substituí-lo na corte. Múcio decidiu antecipar sua aposentadoria para 31 de dezembro. Ele poderia ficar mais três anos no TCU, até completar 75 anos.
Apesar de só sair em definitivo no final do ano, Múcio comunicou ao presidente que formalizará o pedido de aposentadoria nas próximas semanas. Segundo o próprio presidente do TCU relatou a pessoas próximas no final de semana, Bolsonaro afirmou a ele que optou por Oliveira para a vaga no tribunal.
Formado em direito e policial militar aposentado, Oliveira é amigo de Bolsonaro e de seus filhos. O pai do ministro, o capitão do Exército Jorge Francisco, morto em abril de 2018, trabalhou no gabinete de Jair Bolsonaro por mais de 20 anos quando ele ocupou uma das cadeiras da Câmara.
Na semana passada, Bolsonaro teria questionado se Múcio se interessava em ser alocado em alguma área do governo. O ministro do TCU afirmou que não.
Antes de Oliveira, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, era o mais cotado para o cargo.
Em caráter reservado, Rosário é descrito por integrantes da corte como um burocrata que criou arestas ao defender pautas corporativas da Controladoria contra o Tribunal de Contas da União.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO