Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

eleições

- Publicada em 13h07min, 11/09/2020. Atualizada em 18h55min, 11/09/2020.

Gustavo Paim retira candidatura à prefeitura de Porto Alegre e critica Marchezan

Com a desistência, tendência é que PP apoie candidatura de Sebastião Melo ou José Fortunati

Com a desistência, tendência é que PP apoie candidatura de Sebastião Melo ou José Fortunati


Reprodução Twitter/JC
Fernanda Soprana e Marcus Meneghetti
O vice-prefeito Gustavo Paim (PP) desistiu nesta sexta-feira de concorrer à prefeitura de Porto Alegre nas eleições de 2020. Com isso, o PP tende agora a apoiar a candidatura de Sebastião Melo (MDB) ou José Fortunati (PTB). Isso deve ser decidido na convenção municipal, marcada para as 10h deste sábado (12). O prazo final para a realização das convenções partidárias é 15 de novembro. Com a desistência de Paim, o número de pré-candidatos caiu para 12.
O vice-prefeito Gustavo Paim (PP) desistiu nesta sexta-feira de concorrer à prefeitura de Porto Alegre nas eleições de 2020. Com isso, o PP tende agora a apoiar a candidatura de Sebastião Melo (MDB) ou José Fortunati (PTB). Isso deve ser decidido na convenção municipal, marcada para as 10h deste sábado (12). O prazo final para a realização das convenções partidárias é 15 de novembro. Com a desistência de Paim, o número de pré-candidatos caiu para 12.
Em um vídeo publicado nas suas redes sociais, Paim – que se tornou um dos maiores críticos do prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) - argumentou que estava retirando sua pré-candidatura por acreditar que o excesso de candidatos beneficiaria apenas dois nomes no pleito de novembro: o de Marchezan, que disputa a reeleição; e o de Manuela d’Ávila (PCdoB), principal candidata do campo político de centro-esquerda.
O raciocínio é o seguinte: muitos candidatos de direita poderiam dividir demais os votos dos eleitores mais conservadores, o que poderia dificultar que esses candidatos chegassem ao segundo turno, por exemplo.
Depois de agradecer aos partidos que declararam apoio à sua candidatura (Avante e PRTB), Paim justificou sua decisão. “Sou realista. O cenário da eleição mostra que, se houver muitas candidaturas, só dois nomes serão beneficiados: Marchezan e Manuela d’Ávila. Seria o segundo turno mais desastroso para a história e o futuro de Porto Alegre”, avalia Paim no vídeo.
“Por isso, comuniquei ao meu partido que não serei candidato nessas eleições”, arremata.
Nos bastidores, algumas especulações apontam outras razões para a desistência. Uma teoria aponta que o recuo de Paim teria acontecido por incertezas relacionadas à viabilidade financeira da campanha. Outra atribui a retirada da candidatura a um suposto recuo do PRTB.
Paim nega essas hipóteses. Ele sustenta que sua decisão “independe das condições estruturais ou financeiras da campanha”. “É uma decisão política”, conclui.
Qualquer que seja o motivo da retirada da candidatura de Paim, agora o PP deve escolher um candidato para apoiar. Os mais cotados são Melo e Fortunati.
O PP vinha mantendo reuniões periódicas com o MDB, PTB e DEM. Depois de algumas reuniões, o DEM desistiu de lançar a vereadora Comandante Nádia ao paço municipal. Em vez disso, indicou o nome do vereador Ricardo Gomes como vice de Sebastião Melo.
Se o PP seguir o mesmo caminho do DEM, deve indicar o vice de Fortunati. Há uma ala dentro do diretório municipal do PP que defende isso. Outra defende o apoio à candidatura emedebista. Entretanto, o que dificultaria esse apoio é a impossibilidade de indicar o vice.
Em 2016, o PP também ficou dividido entre apoiar a candidatura de Marchezan ou a de Melo (que, na época, era o vice-prefeito e sucessor de José Fortunati).
Comentários CORRIGIR TEXTO