Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

operação lava jato

- Publicada em 21h11min, 09/09/2020.

Lava Jato acusa de corrupção filho do presidente do STJ no esquema do Sistema S

Ministro Humberto Martins assumiu presidência do tribunal em agosto

Ministro Humberto Martins assumiu presidência do tribunal em agosto


/FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL/JC
A Operação Lava Jato acusa o advogado Eduardo Martins, filho do recém-empossado presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins, de receber cerca de R$ 82 milhões da Fecomércio do Rio de Janeiro para influenciar em decisões de ministros da corte. Eduardo é alvo de uma ação da Lava Jato deflagrada nesta quarta-feira (9) que mira escritórios de advocacia, investigados pelo Ministério Público Federal (MPF) por suspeitas de serem usados para desviar recursos do Sistema S fluminense.
A Operação Lava Jato acusa o advogado Eduardo Martins, filho do recém-empossado presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins, de receber cerca de R$ 82 milhões da Fecomércio do Rio de Janeiro para influenciar em decisões de ministros da corte. Eduardo é alvo de uma ação da Lava Jato deflagrada nesta quarta-feira (9) que mira escritórios de advocacia, investigados pelo Ministério Público Federal (MPF) por suspeitas de serem usados para desviar recursos do Sistema S fluminense.
A missão de Eduardo, segundo o MPF, seria a de obter junto ao STJ decisões que pudessem manter Orlando Diniz à frente da Fecomércio fluminense. Diniz foi preso pela Lava Jato e firmou acordo de delação premiada com a procuradoria.
O ministro Martins, pai do advogado, assumiu a presidência do STJ no final de agosto. Antes, ocupava o cargo de corregedor nacional de Justiça. Os investigadores acusam Eduardo de organização criminosa, exploração de prestígio, estelionato e lavagem de ativos.
Na decisão em que acatou a denúncia do MPF e determinou a realização de buscas e apreensão, o juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro, apontou o recebimento de valores pelo advogado em dois trechos. "De forma livre e consciente, entre 23.12.2015 e 29.4.2016, em quinze oportunidades diferentes, Eduardo Martins desviou para si e para Cesar Rocha, com a ajuda também livre e consciente de Orlando Diniz e Cristiano Zanin, R$ 37.400.000,00 (trinta e sete milhões e quatrocentos mil reais) do SESC/RJ e do SENAC/RJ."
Cesar Rocha é o ex-ministro e ex-presidente do STJ Cesar Asfor Rocha. Zanin é advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Rocha e Zanin foram denunciados pelo MPF.
Comentários CORRIGIR TEXTO