Porto Alegre, segunda-feira, 07 de setembro de 2020.
Independência do Brasil. Feriado nos EUA - Dia do Trabalho.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 07 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Arábia Saudita

- Publicada em 14h47min, 07/09/2020.

Justiça saudita condena oito à prisão por morte de jornalista em consulado

Um tribunal saudita condenou nesta segunda a penas de 7 a 20 anos de prisão oito acusados do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018. Além disso, cinco condenações à morte anteriores foram anuladas, informaram meios de comunicação estatais.
Um tribunal saudita condenou nesta segunda a penas de 7 a 20 anos de prisão oito acusados do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018. Além disso, cinco condenações à morte anteriores foram anuladas, informaram meios de comunicação estatais.
"Cinco dos acusados foram condenados a 20 anos de prisão e outros três, a penas de sete a dez anos", informou a agência oficial de imprensa saudita, citando a procuradoria.
Em dezembro de 2019, já havia tido um julgamento do caso sob sigilo. Dos 11 suspeitos, três foram absolvidos, três foram presos e outros cinco foram condenados à morte. O veredito divulgado agora é o final, segundo agências de notícias, e anulou as penas de morte.
Em maio deste ano, os filhos de Khashoggi disseram que tinham "perdoado" os assassinos. Na Arábia Saudita, onde não há um sistema legal codificado e se segue a lei islâmica, o perdão da família de uma vítima pode significar o alívio da pena.
O colunista do jornal americano Washington Post foi morto no consulado saudita em Istambul, na Turquia, em outubro de 2018. Segundo a CIA (agência de inteligência americana), o crime foi ordenado pelo príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed Bin Salman, na tentativa de calar o jornalista, crítico do regime.
Khashoggi havia ido ao consulado buscar documentos para o casamento com sua noiva, a turca Hatice Cengiz, mas nunca mais saiu de lá. Após a morte, o corpo do jornalista -que nunca foi encontrado- teria sido desmembrado com uma serra, de acordo com fontes ouvidas pela rede americana CNN e pela imprensa turca.
Ainda que a CIA e governos ocidentais tenham atribuído a responsabilidade do crime ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita, autoridades do país negam a acusação -embora o próprio Bin Salman tenha indicado, em setembro do ano passado, algum envolvimento pessoal, dizendo que o crime "aconteceu sob sua autoridade".
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO