Porto Alegre, quarta-feira, 29 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 29 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

Atualizada em 14h52min, 29/07/2020.

Visitas são suspensas por mais 30 dias em presídios federais por causa do coronavírus

Também ficam suspensas as atividades educacionais e de trabalho

Também ficam suspensas as atividades educacionais e de trabalho


CLAUDIO FACHEL/PALÁCIO PIRATINI/JC
Folhapress
O Ministério da Justiça suspendeu, por mais 30 dias, as visitas de familiares e os atendimentos de advogados em penitenciárias federais do país devido à pandemia do novo coronavírus.
O Ministério da Justiça suspendeu, por mais 30 dias, as visitas de familiares e os atendimentos de advogados em penitenciárias federais do país devido à pandemia do novo coronavírus.
A medida foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta (29) e é assinada por Marcelo Stona, diretor do Depen (Departamento Penitenciário Nacional). Também ficam suspensas as atividades educacionais e de trabalho, além das assistências religiosas e escoltas.
As exceções são os casos de atendimentos de advogados que envolvam prazos processuais que não foram suspensos, escoltas de requisições judiciais e inclusões emergenciais.
A suspensão dessas atividades vem sendo prorrogada desde março, quando uma primeira portaria restringindo as visitas foi publicada pelo Depen. Estados também suspenderam visitas em penitenciárias estaduais.
A tensão dentro dos presídios cresceu diante do medo da disseminação descontrolada do coronavírus entre presos e da suspensão dessas atividades. Agentes penitenciários relatam que a situação provocou brigas generalizadas e princípios de motins.
Em São Paulo, a Justiça determinou em junho que o governo do estado garantisse visitas a presos por meio virtual ou telefone.
Segundo dados divulgados pelo Depen, em maio, a letalidade do coronavírus na população carcerária brasileira era cinco vezes maior que a registrada na população geral. O número, porém, pode ser subestimado porque a testagem à época cobriu apenas 0,1% dos detentos.
Comentários CORRIGIR TEXTO