Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 21h44min, 21/07/2020. Atualizada em 22h27min, 21/07/2020.

Marchezan se reúne com hospitais e empresários em busca de ações contra pandemia

Prefeito de Porto Alegre busca ampliar leitos de UTI e apoio para ampliar isolamento

Prefeito de Porto Alegre busca ampliar leitos de UTI e apoio para ampliar isolamento


ANSELMO CUNHA/PMPA/DIVULGAÇÃO/JC
Patrícia Comunello
Esta quarta-feira (22) pode trazer novidades em Porto Alegre sobre a lotação de UTIs, de um lado, e o baixo isolamento social, de outro, pelo menos em dias úteis. Vai precisar lockdown ou não? O prefeito da Capital, Nelson Marchezan Júnior, vai se reunir, em videoconferências separadas, com hospitais, no começo da tarde, e com lideranças empresariais após as 16h. Marchezan vai pedir mais vagas - e o gargalo pode ser de profissionais, pois a pandemia gera baixas nas equipes -, e apoio de empresários para reduzir o fluxo nas ruas.
Esta quarta-feira (22) pode trazer novidades em Porto Alegre sobre a lotação de UTIs, de um lado, e o baixo isolamento social, de outro, pelo menos em dias úteis. Vai precisar lockdown ou não? O prefeito da Capital, Nelson Marchezan Júnior, vai se reunir, em videoconferências separadas, com hospitais, no começo da tarde, e com lideranças empresariais após as 16h. Marchezan vai pedir mais vagas - e o gargalo pode ser de profissionais, pois a pandemia gera baixas nas equipes -, e apoio de empresários para reduzir o fluxo nas ruas.
Depois que admitiu o lockdown como medida extrema para reduzir o fluxo - e a contaminação pelo novo coronavírus, o prefeito pretende saber se a rede hospitalar pode ampliar leitos e se os setores econômicos podem ajudar mais. Para adotar uma medida extrema, de fechamento, o prefeito precisa de respaldo, e até agora isso não veio. 
Entre hospitais, o Clínicas puxou a ala que quer o lockdown. "Sou médica, quero salvar vidas", disse a diretora presidente, Nadine Clausell.
O Hospital Vila Nova deu apoio, porque sem leitos de UTI, pacientes que já lotam unidades clínicas ficam sem ter como receber cuidados mais complexos, se precisarem. O GHC, gestor do Hospital Conceição e exclusivo para SUS, ponderou que não adianta fechar a Capital se a Região Metropolitana mantiver o fluxo de casos. Até 50% dos internados em hospitais SUS em Porto Alegre vêm do entorno.
Santa Casa, que atende SUS e convênios, e Moinhos de Vento, com convênios e particulares, apostam na conscientização das pessoas para ficar em casa.    
No lado empresarial, que não suporta mais as perdas e não consegue ver a volta das atividades, quase 20 entidades se uniram para motivar a população a respeitar os decretos de restrições. "Lockdown seria desastroso", disse o presidente do Sindilojas, Paulo Kruse.
A semana abriu com nível de ocupação de UTIs acima de 90%. Nesta terça-feira (21), o Hospital Moinhos de Vento teve 100% das vagas de sua unidade de terapia intensiva ocupadas com casos positivos e suspeitos de Covid-19. Os maiores hospitais públicos de referência da pandemia - Clínicas e Conceição - mantêm níveis de 93% a 95%.
A velocidade de casos confirmados em UTI desacelerou na última semana, com variação de 18%, frente à alta que chegou a 30% na semana anterior. Também na primeira semana de julho e fim de junho, a elevação de casos chegou a quase 30%. também teve desaceleração em uma semana nos casos de Covid-19 em enfermarias, com avanço abaixo de 20%.   
Porto Alegre chegou nesta terça-feira a 6,7 mil casos da doença e 237 óbitos, além de 3,7 mil recuperados. A proporção de recuperados em relação aos casos é de 55%, percentual bem abaixo do Estado, que tem 86% de pessoas infectadas que já superaram a doença.
O número de mortes, diferentemente dos novos casos e internações, vem se elevando em maior velocidade, chegando a 27,4% nos últimos sete dias - saltando de 186 para 237, com 51 vidas a mais perdidas para a nova doença. Na segunda semana, a alta superou 31%. 
Entre os hospitais, a previsão é de aumento de leitos de UTI em até três semanas. Pelo levantamento do Jornal do Comércio, são quase 70 vagas a mais. A Santa Casa abrirá 40 vagas até o fim de semana - 17 foram ativados nesta terça-feira. O Clínicas deve chegar ao teto de 105 posições - hoje são 93. O Hospital Conceição deve abrir mais 15 leitos até a primeira quinzena de agosto.     
Do lado das entidades empresariais 
Comentários CORRIGIR TEXTO