Porto Alegre, quinta-feira, 25 de junho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 25 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

operação lava jato

25/06/2020 - 08h20min. Alterada em 25/06 às 08h50min

Lava Jato procura 12 por desvios na Eletronuclear e mira no ex-ministro Rondeau

Silas Rondeau ocupou pasta de Minas e Energia no governo Lula entre 2005 e 2007

Silas Rondeau ocupou pasta de Minas e Energia no governo Lula entre 2005 e 2007


MARCELLO CASAL JR/ABR/JC
A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (25) a Operação Fiat Lux, novo desdobramento da Lava Jato no Rio, que mira em responsáveis por contratos fraudulentos e pagamento de propina na Eletronuclear. Entre os alvos da investigação está o ex-ministro Minas e Energia Silas Rondeau (MDB), do governo Lula (2005-2007).
A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (25) a Operação Fiat Lux, novo desdobramento da Lava Jato no Rio, que mira em responsáveis por contratos fraudulentos e pagamento de propina na Eletronuclear. Entre os alvos da investigação está o ex-ministro Minas e Energia Silas Rondeau (MDB), do governo Lula (2005-2007).
Agentes cumprem 17 mandados de busca e apreensão e 12 de prisão temporária nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal. No Rio, as atividades são realizadas na capital, em Niterói e em Petrópolis. As ordens foram expedidas pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio.
A corporação indicou ainda que a operação teve como base a colaboração premiada de dois lobistas ligados ao MDB, Jorge Luz e Bruno Luz, que foram presos em 2017 na Operação Blackout, 38ª fase da Lava Jato, por ordem do ex-juiz Sério Moro, à época na 13ª Vara Federal de Curitiba.
Em depoimento prestado em 2017, Jorge Luz revelou ter intermediado R$ 11,5 milhões em propinas a parlamentares do MDB. No mesmo ano, apresentou à 13ª Vara federal de Curitiba uma planilha com nomes de supostos beneficiários de parte dos repasses que fez por meio do uso de offshores no exterior, identificando US$ 418 mil remetidos a Renan Calheiros (PMDB-AL), Jader Barbalho (PMDB-PA), Silas Rondeau, e Aníbal Gomes (PMDB-CE).
Segundo a PF, a Fiat Lux mira em pessoas que não foram abrangidas por operações deflagradas para investigar "envolvidos na organização criminosa que sitiou a Eletronuclear", entre elas a Radioatividade, a Irmandade e a Prypiat. Assim, a Fiat Lux tem como origem uma das primeiras fases da Lava Jato (16ª), a Descontaminação, que prendeu e condenou a 43 anos o almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, ex-presidente da Eletronuclear.
Comentários