Porto Alegre, domingo, 21 de junho de 2020.
Dia do Mídia.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 21 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Finanças públicas

21/06/2020 - 17h15min. Alterada em 21/06 às 17h20min

Deputados estaduais protocolam PEC do Duodécimo

Deputados voltarão ao Parlamento no recesso para decidir a adesão

Deputados voltarão ao Parlamento no recesso para decidir a adesão


GALILEU OLDENBURG/ALRS/JC
O grupo de 19 deputados estaduais que integra a Frente Parlamentar de Combate aos Privilégios protocolou a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Duodécimo. A articulação afirma que a ideia é tornar os repasses “mais justos para Poderes e órgãos” especialmente devido ao grave cenário fiscal do Rio Grande do Sul.
O grupo de 19 deputados estaduais que integra a Frente Parlamentar de Combate aos Privilégios protocolou a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Duodécimo. A articulação afirma que a ideia é tornar os repasses “mais justos para Poderes e órgãos” especialmente devido ao grave cenário fiscal do Rio Grande do Sul.
A PEC do Duodécimo prevê que os recursos destinados aos Poderes Legislativo e Judiciário, ao Ministério Público, ao Tribunal de Contas e à Defensoria Pública do Estado devem ser proporcionais ao que é efetivamente arrecadado pelo Governo do Estado. O Duodécimo refere-se à parcela de 1/12 do orçamento anual que cada poder e órgão gaúcho recebem mensalmente do Tesouro do Estado. Atualmente, o valor do recurso é calculado de acordo com a previsão orçamentária estabelecida no ano anterior, desconsiderando os valores efetivamente arrecadados.
Fábio Ostermann, líder da Bancada do Novo e integrante da Frente, pondera que apenas os servidores do Executivo são penalizados pela crise financeira, com salários que há mais de 50 meses parcelados. “Está faltando recursos para a prestação de serviços públicos básicos prestados pelo Poder Executivo, enquanto Judiciário, Assembleia, MP, Defensoria e TCE seguem vivendo uma realidade à parte, sem atrasos nos salários”, critica Ostermann.
Comentários