Porto Alegre, sexta-feira, 19 de junho de 2020.
Dia do Cinema Brasileiro.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 19 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Investigação

19/06/2020 - 19h29min. Alterada em 19/06 às 19h39min

Flávio Bolsonaro é chamado a depor sobre suposto vazamento da Furna da Onça

Investigação apura declarações do ex-aliado lo Marinho (PSDB) que citam Flávio (foto)

Investigação apura declarações do ex-aliado lo Marinho (PSDB) que citam Flávio (foto)


MARCOS OLIVEIRA/AGÊNCIA SENADO/JC
O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro intimou o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) a prestar depoimento na investigação que apura supostos vazamentos da Polícia Federal sobre a Operação Furna da Onça. Além de Flávio, serão ouvidos os advogados Ralph Hage Vianna e Christiano Fragoso.
O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro intimou o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) a prestar depoimento na investigação que apura supostos vazamentos da Polícia Federal sobre a Operação Furna da Onça. Além de Flávio, serão ouvidos os advogados Ralph Hage Vianna e Christiano Fragoso.
A investigação faz parte do procedimento aberto para apurar declarações feitas pelo ex-aliado do governo, o empresário e pré-candidato à prefeitura do Rio, Paulo Marinho (PSDB), de que o filho mais velho do presidente foi previamente avisado da operação que trouxe à tona as movimentações atípicas nas contas de seu ex-assessor Fabrício Queiroz, preso nesta quinta-feira, 18.
O ex-funcionário de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio foi citado em um relatório do antigo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), o que arrastou o então deputado para o centro de uma investigação criminal sobre suposto esquema de desvio de salários em seu gabinete, a chamada 'rachadinha'.
Marinho afirma que, segundo relato do próprio Flávio, um delegado da Polícia Federal avisou das investigações pouco após o primeiro turno das eleições daquele ano e informou que membros da Superintendência da PF no Rio adiariam a operação para não prejudicar a disputa de Jair Bolsonaro (sem partido) no segundo turno.
Em virtude do foro por prerrogativa de função, o Núcleo de Controle Externo da Atividade Policial no Rio solicitou que o Procurador Geral da República, Augusto Aras, encaminhe a intimação. Flávio terá 30 dias, a contar do recebimento, para marcar o depoimento.
O advogado de Flávio Bolsonaro, Frederick Wassef, dono da casa onde Fabrício Queiroz foi encontrado, classificou a revelação de Marinho como uma 'cortina de fumaça'. Já o próprio Flávio disse a acusação é uma 'invenção' e afirmou que o empresário tem interesse em prejudicá-lo, já que é seu suplente no Senado Federal.
Comentários