Porto Alegre, quinta-feira, 04 de junho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 04 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

denúncia

Alterada em 04/06 às 17h28min

Boulos vai à polícia registrar ameaças de bolsonaristas

Ele fará um boletim de ocorrência denunciando as ameaças sofridas

Ele fará um boletim de ocorrência denunciando as ameaças sofridas


NELSON ALMEIDA /AFP/JC
Folhapress
O ex-presidenciável Guilherme Boulos (PSOL-SP) diz que recebeu ameaças após se engajar na convocação de um ato que se define como antifascista, antirracista e em defesa da democracia previsto para domingo (7), às 14h, no Masp, em São Paulo.
O ex-presidenciável Guilherme Boulos (PSOL-SP) diz que recebeu ameaças após se engajar na convocação de um ato que se define como antifascista, antirracista e em defesa da democracia previsto para domingo (7), às 14h, no Masp, em São Paulo.
"Guilherme Boulos mora numa casa no bairro do Campo Limpo, no sul de São Paulo. Domingo vamos atirar em todo o bairro até acertar ele", diz mensagem compartilhada por grupos bolsonaristas nesta quinta-feira (4) e enviada a ele.
Segundo Boulos, ela havia sido publicada originalmente em um grupo intitulado "Armas S/A Sudeste". Ele fará um boletim de ocorrência denunciando as ameaças sofridas.
A Frente Povo Sem Medo, liderada pelo ex-presidenciável e formada por movimentos sociais como o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) e a UNE (União Nacional dos estudantes) uniu-se na terça (2) à convocação para o ato na avenida Paulista.
Os novos protestos, marcados em várias capitais e cidades de porte médio do país, estão sendo chamados via redes sociais. As marchas são puxadas por integrantes de torcidas organizadas, inspirados no ato pró-democracia do último domingo (31) na avenida Paulista, que acabou em confronto com a PM.
Comentários