Porto Alegre, terça-feira, 19 de maio de 2020.
Dia Nacional da Defensoria Pública.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 19 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Contas públicas

19/05/2020 - 16h55min. Alterada em 19/05 às 16h55min

Queda do PIB pode ser maior que 5% em 2020, afirma secretário do Tesouro

Projeção oficial do Ministério da Economia é uma queda de 4,7%

Projeção oficial do Ministério da Economia é uma queda de 4,7%


Marcelo Camargo/ABR/JC
Folhapress
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou nesta terça-feira (19) que a economia brasileira pode registrar uma retração superior a 5% neste ano. A projeção oficial do Ministério da Economia, divulgada na semana passada, é de uma queda de 4,7%.
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou nesta terça-feira (19) que a economia brasileira pode registrar uma retração superior a 5% neste ano. A projeção oficial do Ministério da Economia, divulgada na semana passada, é de uma queda de 4,7%.
A queda do PIB (Produto Interno Bruto) estimada pelo secretário está em linha com a do mercado. Os analistas projetam uma queda de 5,12% do PIB em 2020, conforme previsões compiladas pelo boletim Focus (do Banco Central) e divulgadas na segunda (18).
A retração da economia vai contribuir para um nível maior do índice de endividamento brasileiro, mas o secretário diz que mais importante que os números de 2020 ou 2021 é a trajetória da dívida pública para os anos seguintes.
Por isso, Mansueto defende o compromisso com o ajuste fiscal após a crise e a retomada da agenda de reformas.
Mesmo assim, ele acredita que a reforma tributária não será aprovada neste ano. Há um consenso em torno da necessidade de mudanças, acredita, mas não quando a discussão se volta aos detalhes dessas alterações.
Comentários