Porto Alegre, sexta-feira, 15 de maio de 2020.
Dia do Assistente Social.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 15 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Governo federal

15/05/2020 - 12h19min. Alterada em 15/05 às 14h04min

Teich pede demissão antes de completar um mês no Ministério da Saúde

Teich foi pressionado por Bolsonaro nesta semana para ampliar o uso da cloroquina

Teich foi pressionado por Bolsonaro nesta semana para ampliar o uso da cloroquina


JOSÉ DIAS/PR/JC
Folhapress
Atualizada às 14h05min
Atualizada às 14h05min
A dois dias de completar um mês no cargo, o ministro da Saúde, Nelson Teich, pediu demissão nesta sexta (15), informou o próprio ministério. Uma coletiva de imprensa será marcada nesta tarde, de acordo com a pasta.
Em sua breve passagem pelo cargo, Teich teve seu poder como ministro minimizado pelo presidente Jair Bolsonaro. A polêmica sobre o protocolo do uso da cloroquina no combate ao coronavírus, porém, foi considerada a gota d´água para a queda dele.
Teich foi enquadrado nesta semana por Bolsonaro a ampliar o uso da cloroquina para pacientes com quadros leves da Covid-19, apesar da falta de evidências científicas do medicamento para o novo coronavírus. Estudos recentes internacionais, publicados em revistas científicas de prestígio, não mostraram benefícios da droga em reduzir internações e mortes e apontaram riscos cardíacos.
Nesta sexta (15), Teich avisou Bolsonaro que não poderia mudar o protocolo sem comprovação científica sobre a eficácia da cloroquina no início do tratamento.
Em uma teleconferência com grandes empresários organizada na quinta-feira (14) pelo presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, Bolsonaro afirmou que o protocolo sobre o uso da cloroquina "pode e vai mudar".
"Agora votaram em mim para eu decidir e essa questão da cloroquina passa por mim. Está tudo bem com o ministro da Saúde [Nelson Teich], sem problema nenhum, acredito no trabalho dele. Mas essa questão da cloroquina vamos resolver. Não pode o protocolo -de 31 de março agora, quando estava o ministro da saúde anterior [Luiz Henrique Mandetta]- dizendo que só pode usar em caso grave... Não pode mudar o protocolo agora? Pode mudar e vai mudar", declarou Bolsonaro.
Teich vinha defendendo que uma eventual mudança na recomendaçaõ do ministério só ocorreria após conclusão de estudos científicos.
"Cloroquina hoje ainda é uma incerteza. Houve estudos iniciais que sugeriram benefícios, mas existem estudos hoje que falam o contrário", afirmou Nelson Teich em 29 de abril. "Os dados preliminares da China é que teve mortalidade alta e que o remédio não vai ser divisor de águas em relação à doença."
Além disso, na segunda (11) Teich foi informado pela imprensa de decisão do presidente de aumentar a lista de atividades essenciais com salões de beleza, academias e barbearias, mostrou-se surpreso e virou alvo de memes. O fato reforçou a visão de que o ministro estava afastado de decisões que interferem em recomendações da Saúde.
Na quinta (14), Nelson Teich relatou a pessoas próximas no Ministério da Saúde que estudava pedir demissão por ter ficado incomodado com a edição do decreto e com a pressão de Bolsonaro sobre a cloroquina.
Na pasta, a avaliação é de a que o ministro não tinha tinta na caneta e quem coordena o ministério de fato é o general Pazuello, secretário-executivo.
Depois da edição do decreto, o próprio general Pazuello, número 2 do ministério, já ciente de que Teich poderia pedir demissão disse a pessoas próximas que não achava conveniente assumir o ministério efetivamente. Ele disse não que não quer ficar no meio de um tiroteio político. Pesa também a avaliação de uma ala de militares do governo de que não seria bom para as Forças Armadas ter mais um militar da ativa no comando de um ministério pelo receio de misturar mais ainda os fardados com o governo.
Segundo aliados de Bolsonaro, o presidente avalia ou deixar Pazuello interino até o final da pandemia ou efetivá-lo, mas também estuda outros nomes.
Pouco após o anúncio do pedido de exoneração, a médica Nise Yamaguchi, uma entusiasta do uso da cloroquina para casos de Covid, estava no Palácio do Planalto nesta sexta-feira (15), onde acompanhou uma cerimônia sobre o combate à violência doméstica. Após o fim do ato, ela subiu para o terceiro andar do Planalto, onde está o gabinete presidencial.
O médico Cláudio Lottenberg, do Sírio Libanês, e Ludmila Hajjar, do Hcor (Hospital do Coração), cotados na saída de Luiz Henrique Mandetta, também voltaram a ser avaliados.
Comentários