Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Questão indígena

- Publicada em 17h17min, 28/02/2020.

Deputado quebra corrente em terra indígena e grava vídeo para Bolsonaro

Corrente é utilizada para controlar o acesso noturno à terra indígena Waimiri-Atroari

Corrente é utilizada para controlar o acesso noturno à terra indígena Waimiri-Atroari


Reprodução/Instagram/JC
Com uma motosserra, um alicate e gravando um vídeo dirigido ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado estadual Jeferson Alves (PTB-RR) quebrou e levou embora nesta sexta-feira (28) uma corrente utilizada para controlar o acesso noturno à terra indígena Waimiri-Atroari, em Roraima, que é atravessada pela rodovia BR-174.
Com uma motosserra, um alicate e gravando um vídeo dirigido ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado estadual Jeferson Alves (PTB-RR) quebrou e levou embora nesta sexta-feira (28) uma corrente utilizada para controlar o acesso noturno à terra indígena Waimiri-Atroari, em Roraima, que é atravessada pela rodovia BR-174.
"Essa corrente nunca mais vai deixar o meu Estado isolado. Presidente Bolsonaro, é por Roraima, é pelo Brasil. Não a favor dessas ONGs que maltratam meu estado", disse o deputado, que serrou a base de madeira usada para prender a corrente.
A corrente era levantada diariamente das 18h30min às 6h em um trecho de 123 km da rodovia com o objetivo de preservar a vida de indígenas e animais. Mais de 2,1 mil indígenas vivem na região. A passagem de veículos em situação de emergência, como ambulâncias, é autorizada mesmo à noite.
O uso da corrente para controle do trânsito foi iniciado ainda nos anos 70 pelo próprio Exército, responsável pela construção da rodovia, que liga Manaus (AM) a Boa Vista (RR), e depois assumida pelos indígenas.
Em 2011, o Programa Waimiri Atroari da Eletronorte calculou que de 70 a 150 animais, incluindo pacas, jacarés, antas e até onças morriam atropelados na rodovia todos os meses apenas no período diurno.
Segundo o advogado Harilson Araújo, da Associação Waimiri-Atroari, o grupo liderado pelo deputado estadual abordou, "constrangeu e colocou num canto" dois adolescentes indígenas que estavam próximos da corrente nesta manhã.
"Não existe nenhuma ordem judicial que impeça o uso da corrente. Ações judiciais estão tratando sobre a corrente, mas o deputado estadual resolveu não aguardar a palavra do Judiciário e foi fazer justiça com as próprias mãos, a manu militari [pela força]", disse o advogado. "A situação agora é bastante tensa entre os indígenas, estamos tentando acalmar os ânimos", completou.
A Procuradoria da República foi acionada pela associação para atuar no caso.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO