Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

meio ambiente

13/02/2020 - 16h11min. Alterada em 13/02 às 16h11min

Greenpeace: postura de Bolsonaro não é condizente com cargo que ocupa

A organização existe há quase meio século e está presente em 55 países. No Brasil, atua há 28 anos

A organização existe há quase meio século e está presente em 55 países. No Brasil, atua há 28 anos


MAURO PIMENTEL /AFP/DIVULGAÇÃO/JC
Após o presidente da República chamar o Greenpeace de "lixo", a entidade afirmou que a postura de Jair Bolsonaro não é condizente com o cargo que ocupa. Em nota, a organização internacional afirmou que "o incômodo de quem destrói o meio ambiente soa como elogio". E que continuará atuando em defesa do meio ambiente e dos direitos dos povos indígenas "irrite a quem irritar".
Após o presidente da República chamar o Greenpeace de "lixo", a entidade afirmou que a postura de Jair Bolsonaro não é condizente com o cargo que ocupa. Em nota, a organização internacional afirmou que "o incômodo de quem destrói o meio ambiente soa como elogio". E que continuará atuando em defesa do meio ambiente e dos direitos dos povos indígenas "irrite a quem irritar".
"O Greenpeace Brasil lamenta que um presidente da República apresente postura tão incondizente com o cargo que ocupa", diz o início do texto.
O Greenpeace alega que tem "criticado e combatido as políticas do governo que levaram ao aumento do desmatamento e ao desmantelamento dos órgãos de fiscalização", além de se posicionar contra "os absurdos ataques aos direitos dos povos indígenas".
"Ao longo da história, nossa postura crítica a quem promove a destruição ambiental já causou muitas reações desequilibradas dos mais diferentes personagens. Estamos apenas diante de mais uma delas. Nestes casos, o incômodo de quem destrói o meio ambiente soa como elogio", afirma a ONG.
O Greenpeace destaca que é uma organização sem fins lucrativos, que possui independência financeira e política. "Continuaremos trabalhando incansavelmente na defesa do meio ambiente, da democracia e dos direitos das populações. Irrite a quem irritar."
A organização existe há quase meio século e está presente em 55 países. No Brasil, atua há 28 anos.