Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Governo Federal

10/02/2020 - 16h29min. Alterada em 10/02 às 16h46min

Sindicato reage a declaração de Guedes sobre parasitas no serviço público

Sindreceita disse que não espera 'consideração ou respeito, muito menos reconhecimento' do ministro

Sindreceita disse que não espera 'consideração ou respeito, muito menos reconhecimento' do ministro


FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL/JC
Depois de o ministro da Economia, Paulo Guedes, associar setores do serviço público a parasita, quadros do serviço público federal reagiram. O Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (Sindreceita) afirmou nesta segunda-feira (10) não ter se surpreendido com a opinião que seria, não só do ministro, como "de muitos de seus colegas de governo", disse por nota.
Depois de o ministro da Economia, Paulo Guedes, associar setores do serviço público a parasita, quadros do serviço público federal reagiram. O Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (Sindreceita) afirmou nesta segunda-feira (10) não ter se surpreendido com a opinião que seria, não só do ministro, como "de muitos de seus colegas de governo", disse por nota.
Guedes chegou a se desculpar pela comparação nesta segunda, alegando que a "fala teria sido retirada de contexto" e que teria se referido a estados e municípios em casos extremos, quando a receita vai para salários e não para saúde, educação e segurança.
Mesmo após o esclarecimento, o Sindreceita disse não esperar “qualquer consideração ou respeito, muito menos reconhecimento, sequer diálogo. Estamos na alça de mira, na lista dos proscritos.”
Pela manhã, em evento na Federação das Indústrias do Rio (Firjan), o presidente da Câmara do Deputado,s Rodrigo Maia, também reprovou, sem citar nomes, a fala do ministro. Ele criticou o uso de "termos pejorativos" para defender a reforma administrativa, mas que ainda apoiar o projeto de uma reforma administrativa.